Papa ordena investigação de congregação religiosa após escândalo

O papa Bento 16 ordenou a investigação de uma influente congregação da Igreja Católica Romana depois que se descobriu que o fundador da ordem era um molestador sexual e havia tido ao menos um filho com uma amante. A congregação religiosa conservadora Legionários de Cristo anunciou a inspeção, conhecida na linguagem da Igreja como uma "Visita Apostólica", na terça-feira. O Vaticano havia informado a ordem de forma reservada em 10 de março. Os Legionários foram abalados ao longo dos últimos anos por uma série de escândalos relacionados ao fundador da ordem, padre Marcial Maciel, que morreu no ano passado aos 87 anos. No mês passado, a congregação disse ter encontrado evidência de que ele viveu uma dupla vida durante décadas. Enquanto dirigia a congregação de padres que fazem promessas de celibato, ele tinha uma amante com quem teve ao menos uma criança. Em 2006, o papa Bento 16 disse ao padre Maciel para que ele se aposentasse em "uma vida reservada de oração e penitência" depois das acusações de que teria molestado um menino e seminaristas décadas atrás. A congregação negou as acusações por anos, mas o Vaticano tomou medidas contra Maciel depois do surgimento de novas evidências. Na época, as sanções contra Maciel fizeram dele uma das pessoas mais proeminentes a ser punida por abuso sexual. A "Visita Apostólica" pode culminar em sanções e ação disciplinar. Essas investigações não são freqüentes e podem durar meses. O padre Álvaro Corcuera, atual diretor-geral da congregação, disse em uma carta aos membros da congregação que espera que a investigação "nos ajude a enfrentar nossas vicissitudes presentes relacionadas aos fatos graves da vida de nosso fundador". Os investigadores visitarão os seminários e outras instituições dos Legionários, como escolas, casas de repouso e universidades em todo o mundo. Fundada em 1941 por Maciel, que era mexicano, a congregação conservadora reúne atualmente cerca de 800 padres e 2.500 seminaristas em mais de 20 países.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.