Papa pede a defesa de crianças 'vítimas da guerra'

Bento XVI se diz solidário com 'todas as crianças do mundo, em especial as expostas à violência e ao abandono'

Efe,

24 de junho de 2009 | 12h39

O papa Bento XVI exortou a "defesa da infância vítima da violência e das armas" nesta quarta-feira, 24, durante um discurso proferido na Praça de São Pedro, no Vaticano.   O papa disse sentir-se solidário com "todos as crianças do mundo, em particular as que estão expostas ao medo, ao abandono, à fome, aos abusos, às doenças e à morte". O chefe da Igreja católica assegurou que está sempre ao lado destas "pequenas vítimas", de quem sempre se lembra "em suas orações".   Bento XVI se referiu também aos sacerdotes e afirmou que nas atuais sociedades globalizadas, é dado mais valos à "funcionalidade" que ao "sagrado", o que coloca em risco "a concepção católica do sacerdócio de dentro da Igreja". O papa deu instruções aos sacerdotes sobre seu trabalho no mundo e aconselhou que não se "limitem só à palavra ou ao anúncio". Para Bento XVI, os sacerdotes que pensam somente em serviços sociais e nas comunidades se esquecem "da dimensão do sacramento e da eucaristia".   No fim do discurso, o papa pediu a liberação dos "sequestrados nas zonas de conflito" e se referiu especialmente a Eugenio Vagni, um funcionário da Cruz Vermelha retido nas Filipinas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.