Papa pede combate à pobreza como arma contra a violência

Em discurso de 1º de janeiro, Benedito 16 pede o fim dos conflitos no Oriente Médio.

Da BBC Brasil, BBC

01 Janeiro 2009 | 13h39

O papa Benedito 16 fez nesta quinta-feira um apelo ao fim do conflito no Oriente Médio e pediu um esforço global no combate à pobreza, argumentando que a pobreza leva à violência e que a violência aumenta a pobreza, num ciclo vicioso."A pobreza encontra-se freqüentemente entre os fatores que favorecem ou agravam os conflitos, mesmo os conflitos armados. Estes últimos, por sua vez, alimentam trágicas situações de pobreza", disse o papa em seu tradicional discurso de 1º de janeiro, para marcar o Dia Mundial da Paz.Benedito 16 advertiu sobre os perigos da nova onda de violência na Faixa de Gaza, que, segundo ele, ameaça o "profundo desejo pela paz" da maioria dos povos israelense e palestino.Segundo o papa, a comunidade internacional deve estar sempre vigilante sobre os perigos do conflito.Desigualdades sociaisFalando à multidão que compareceu à praça de São Pedro, no Vaticano, para acompanhar a missa de 1º de janeiro, o papa disse ainda que a atual crise econômica mundial deve ser vista como um teste para o futuro e como uma oportunidade para a redução das desigualdades sociais."A crise deve ser analisada com profundidade, como um grave sintoma que requer uma intervenção sobre suas causas", disse ele. "Não é suficiente - como diria Jesus Cristo - colocar alguns remendos novos em uma roupa velha."Segundo ele, são necessárias uma revisão e uma correção profundas das atuais metas de desenvolvimento.Em seu discurso, o papa disse que há dois tipos de pobreza - um livremente escolhido e o outro injustamente imposto, que deve ser combatido e que ameaça a paz mundial.Segundo ele, não se pode combater a pobreza no mundo sem reduzir a distância entre os mais ricos e os mais pobres."A disparidade entre ricos e pobres tornou-se mais evidente, mesmo nas nações economicamente mais desenvolvidas. Trata-se de um problema que se impõe à consciência da humanidade, visto que as condições em que se encontra um grande número de pessoas são tais que ofendem a sua dignidade natural e, consequentemente, comprometem o autêntico e harmônico progresso da comunidade mundial", afirmou.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.