Papa pede desculpas por abuso sexual do clero na Austrália

O papa Bento 16 pediu desculpas porabusos sexuais na Igreja Católica na Austrália, dizendo que osresponsáveis devem ser levados à Justiça. "Eu lamentou profundamente a dor e o sofrimento que asvítimas suportaram", disse o pontífice na sua homilia emSydney. "Esses delitos, que se constituem em uma traição deconfiança tão grande, merecem condenação inequívoca", disseele. "Os responsáveis por esse mal devem ser levados àJustiça." As vítimas de abusos na igreja na Austrália pediram ao papaque se desculpasse publicamente durante sua visita a Sydneypara o Dia Mundial da Juventude, entre 15 e 20 de julho. A Broken Rites, que representa vítimas de abuso naAustrália, listou 107 condenações para abusos na igreja, masdiz que pode haver milhares de vítimas, já que poucos casos sãojulgados.O papa enfrentou a questão de abuso sexual na Igreja Católicanos Estados Unidos durante uma visita a Washington em abril,reunindo-se com as vítimas e prometendo manter os pedófilosfora do sacerdócio. Abusos sexuais de membros do clero católico ofuscaram avisita do papa a Sydney e o caso de abuso de um jovem de 25anos na Austrália foi reaberto dias antes da chegada dopontífice. Bento 16 afirmou que os abusos sexuais pelo clero tinhamprejudicado a Igreja Católica. "Eu gostaria de pausar para reconhecer a vergonha que todosnós sentimos como resultado do abuso sexual de menores poralguns membros do clero e por religiosos neste país", disse opapa durante uma missa na Catedral de Santa Maria, em Sydney. "Eu peço a todos vocês que apoiem e dêem assistência aosseus bispos e trabalhem junto deles para combater esse mal. Asvítimas devem receber compaixão e cuidado..." As vítimas de abuso afirmaram que o papa não deve apenaspedir desculpas por abusos cometidos por membros da igreja, mastambém implementar um sistema de investigação das acusações.Eles dizem que a Igreja Católica na Austrália continua tentandoencobrir esses incidentes. (Reportagem adicional de Philip Pullella em Sydney)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.