Papa prega paz entre cristãos e muçulmanos na África

Bento XVI celebrou missa campal para dezenas de milhares de pessoas num estádio da capital de Camarões

PHILI, REUTERS

19 de março de 2009 | 09h13

O papa Bento XVI conclamou nesta  quinta-feira, 19,  os cristãos e muçulmanos da África a rejeitarem a violência inter-religiosa. O pontífice iniciou seu terceiro dia de visita a Camarões reunindo-se com 22 líderes da comunidade muçulmana local, e em seguida celebrou missa campal para dezenas de milhares de pessoas num estádio da cidade.     Veja também: Camisinha piora o problema da aids, diz papa rumo à África  Você concorda com a posição da Igreja sobre a camisinha?  TV Estadão: papa critica distribuição de camisinhas  Na África, papa dará atenção às guerras, fome e doençasEm seu pronunciamento aos muçulmanos na Nunciatura Apostólica, o papa disse que ambas as religiões deveriam "rejeitar todas as formas de violência e totalitarismo". "Que a entusiástica cooperação entre muçulmanos, católicos e outros cristãos em Camarões seja um farol para outras nações africanas de enorme potencial de um compromisso inter-religioso com a paz, a justiça e o bem comum." Confrontos entre grupos muçulmanos e cristãos, ocasionados por uma eleição contestada, mataram centenas de pessoas em novembro do ano passado na cidade nigeriana de Jos. Em janeiro deste ano, as autoridades sudanesas expulsaram uma ONG norte-americana da região de Darfur depois que autoridades encontraram bíblias em árabe na sede do grupo, sugerindo atividade proselitista. O papa tem feito reuniões com líderes muçulmanos para tentar recuperar as relações entre os dois credos, muito afetadas depois de um discurso do pontífice, em 2006, no qual ele parecia sugerir um caráter violento e irracional do Islã, o que provocou reações indignadas de muçulmanos de todo o mundo. 

Tudo o que sabemos sobre:
RELIGIAOPAPAAFRICAPAZ*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.