Papa sugere a argentinos não viajar a Roma e dar o dinheiro aos pobres

O papa Francisco tentou dissuadir os argentinos de fazer viagens caras a Roma para sua missa inaugural na próxima semana, sugerindo que eles façam uma contribuição para os pobres no lugar disso, afirmou o Vaticano nesta sexta-feira.

Reuters

15 de março de 2013 | 13h29

O porta-voz do Vaticano, padre Federico Lombardi, disse que o papa tinha ligado para o embaixador do Vaticano em Buenos Aires na noite em que foi eleito e contou-lhe seu desejo.

O novo papa havia feito um pedido semelhante para seus conterrâneos quando se tornou cardeal em 2001 e a Argentina sofria os efeitos de uma crise financeira.

"Ele ligou para o embaixador e pediu-lhe para dizer aos bispos que não há necessidade para eles e os fiéis fazerem uma viagem longa e cara para vê-lo, mas que poderiam, em vez disso, oferecer o dinheiro aos pobres", contou Lombardi.

O pontificado de Francisco começa oficialmente em 19 de março, com uma missa solene na Basílica de São Pedro.

O papa tem uma longa reputação de frugalidade. Ele usava o transporte público quando era cardeal na Argentina.

Na noite de sua eleição, Francisco andou em um ônibus com os cardeais em vez de usar a limusine papal que o esperava. Na manhã seguinte, ele insistiu em pagar a conta no hotel de propriedade da Igreja, onde se hospedou antes do conclave.

(Reportagem de Philip Pullella)

Tudo o que sabemos sobre:
VATICANOPAPAARGENTINOSVIAGEM*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.