Paquerar pode ser mais do que diversão, dizem pesquisadores

Por Carey Gillam

REUTERS

15 de novembro de 2010 | 20h37

KANSAS CITY, 15 de novembro (Reuters Life!) - Há muito mais em paquerar do que se divertir, de acordo com uma nova pesquisa que também aponta que o sucesso no romance depende em parte de compreender o seu próprio "estilo de flertar".

Querendo ou não, aproximar-se de um desconhecido em um bar ou sentar-se e esperar o objeto de atração se aproximar são distinções que uma vez reconhecidas podem ajudar as pessoas a navegarem pelos mares revoltos dos relacionamentos, segundo Jeffrey Hall, professor assistente de estudos de comunicação da Universidade do Kansas.

Recentemente, Hall completou um estudo sobre estilos de paquerar, ouvindo mais de 5.100 pessoas sobre seus métodos de flertar.

"Saber um pouco sobre a maneira como você manifesta interesse pode dizer algo sobre os desafios que você pode ter enfrentado na vida amorosa passada", disse Hall. "Felizmente, essa consciência pode evitar esses erros e ajudar em um relacionamento bem-sucedido."

Hall acrescentou que há cinco estilos essenciais de paquera: o físico, tradicional, educado, sincero e extrovertido.

Na paquera física, as pessoas expressam seu interesse sexual para um potencial parceiro e, segundo ele, geralmente desenvolvem relacionamentos rapidamente, com mais química sexual e uma conexão emocional maior com seus companheiros.

O flerte tradicional prima pela iniciativa do homem, com a mulher assumindo o papel passivo, e estes preferem o namoro.

Há muitas pessoas cuja paquera cai na categoria "extrovertida" e a finalidade geralmente é melhorar sua auto-estima, disse Hall. Essas pessoas estão menos propensas a relacionamentos significativos e duradouros, acrescentou ele.

Hall é coautor do artigo com Steve Carter, diretor de pesquisas e desenvolvimento do site de encontro online eHarmony.com.

Tudo o que sabemos sobre:
PAQUERAPESQUISA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.