Paquistão pede empréstimo de resgate ao FMI

Pacote de US$ 7,6 bi ajudará país a evitar calote da dívida e estabilizar economia.

Da BBC Brasil, BBC

15 Novembro 2008 | 15h03

O Paquistão anunciou ter pedido um empréstimo de resgate de US$ 7,6 bilhões ao Fundo Monetário Internacional (FMI), segundo informações do principal conselheiro econômico do país. Shaukat Tarin disse que o pacote de ajuda será essencial para atenuar a crise na balança de pagamentos e estabilizar a economia do país. O empréstimo também será necessário para que o país evite dar um calote em sua dívida externa. Até agora o Paquistão vinha tentando arrecadar fundos junto a outras fontes e autoridades paquistanesas diziam que só recorreriam ao FMI em último caso. No entanto, o governo não teria conseguido chegar a um acordo com outras instituições financeiras internacionais com as quais negociava ajuda. Em uma coletiva de imprensa, Shaukat Tarin disse que o país entrará com pedido formal para obter o resgate na próxima semana. O governo pretende receber US$ 4 bilhões do fundo ainda este ano como parte do acordo, que teria duração de 23 meses. O Paquistão teria se comprometido a começar pagar pela dívida em 2011. Analistas, no entanto, não estão convencidos de que o pacote será suficiente para resgatar a economia do país asiático. O Paquistão país está passando pela pior crise econômica em uma década, com grandes déficits orçamentários e na balança comercial que levaram a uma redução das reservas de moeda estrangeira e à fuga de capital. A alta no preço dos alimentos e no petróleo teriam contribuído para deteriorar ainda mais a situação. No último ano, houve uma redução de três quartos nas reservas de moeda estrangeira e acredita-se que não haja fundos suficientes para manter as importações por muito tempo. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Mais conteúdo sobre:
paquistão fmi pacote de resgate

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.