Para CNI,país deve aproveitar crise global para retomar reformas

O Brasil precisa retomar a agenda de reformas estruturais e aliviar o aperto de liquidez no mercado para minimizar os impactos da crise financeira global, disse nesta terça-feira o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), deputado Armando Monteiro Neto (PTB-PE). "As empresas reclamam que está havendo retração, os spreads bancários já se elevaram, os juros já estão mais elevados no Brasil, e isso se da porque há uma maior retração no crédito", disse a jornalistas durante o evento Medalha do Conhecimento 2008. Para o presidente da CNI, o governo perdeu o foco nas reformas devido ao bom momento que a economia nacional vinha passando. "Vamos aproveitar a crise para o Brasil retomar uma agenda que nós perdemos, ou seja, vamos fazer o dever de casa e não vamos ficar imaginando que o cenário externo será sempre muito benigno, muito favorável como foi nos últimos anos." Monteiro se referia às reformas tributária, trabalhista, da Previdência e política que estão paradas no Congresso, cuja aprovação, segundo ele, aumentaria a confiança dos investidores na economia brasileira. Desde o início da crise, o governo vem adotando um discurso otimista com relação aos seus efeitos na economia brasileira. Mas na segunda-feira o presidente Luiz Inácio Lula da Silva admitiu que a crise é grave. Nesta tarde, o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, disse que está preparado para tomar as medidas que forem necessárias para enfrentar os impactos da crise. (Reportagem de AnaPaula Paiva)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.