Para governo do PR, OAB protege 'pistoleiros'

A Secretaria da Segurança Pública do Paraná disse, por meio de nota, considerar "absurda" a postura "particular e divergente" da seccional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em Cascavel, a quem foi delegada a missão de encaminhar ações civis coletivas responsabilizando o governador Roberto Requião pelo conflito ocorrido domingo na estação experimental da Syngenta Seeds, em Santa Tereza do Oeste. A Secretaria, que foi escalada pelo governo para dar a resposta às sociedades classistas de Cascavel que pretendem propor as ações, afirmou que a Ordem quer inocentar e proteger "pistoleiros"."A OAB-Paraná é uma ferrenha defensora dos direitos humanos. Portanto, é absurda a postura divergente e particular da entidade em Cascavel quando tenta inocentar e proteger um bando de pistoleiros travestidos de seguranças particulares que espalham o terror no campo contrariando todos os preceitos dos direitos humanos", acusa a nota. Segundo a secretaria, o governo fez 172 desocupações, quase todas pacíficas, em quatro anos e dez meses de governo.Em razão disso, segundo a nota, a Secretaria entende que culpar o governo de omissão "é buscar inocentar estes pistoleiros, verdadeiros criminosos, que em pouco tempo serão presos e duramente punidos pelos crimes medievais que cometeram". A secretaria acrescenta que está reunindo as declarações e informações prestadas pelo presidente da Sociedade Rural do Oeste do Paraná, Alessandro Meneghel, em que "aberta e publicamente defende a prática de crimes". "Estes documentos embasarão o pedido ao Ministério Público Estadual de que proponha uma Ação Civil Pública para a extinção desta Sociedade que se presta para a defesa da prática de crimes hediondos, desrespeitando os direitos humanos", encerra.

EVANDRO FADEL, Agencia Estado

26 de outubro de 2007 | 20h04

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.