Para Itália, STF resgatou respeito ao seu Judiciário

O julgamento do Supremo Tribunal Federal (STF) que deu aval à extradição do ativista Cesare Battisti foi recebido na Itália como a restauração do respeito à sua Justiça. A decisão foi entendida, ainda, como uma reprovação às críticas feitas pelo ministro da Justiça, Tarso Genro, contra a democracia italiana, que constavam da justificativa ao refúgio político concedido pelo governo brasileiro. A expectativa no país agora é pela palavra final do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Andrei Netto, O Estadao de S.Paulo

20 de novembro de 2009 | 00h00

Para o presidente italiano, Giorgio Napolitano, o parecer do STF foi importante para a Itália. "Uma decisão diferente teria resultado em um julgamento absolutamente negativo sobre o sistema judiciário e penitenciário italiano", explicou. "Sobre este caso, a magistratura italiana tinha os argumentos necessários."

De acordo com o chefe de Estado, a eventual recusa do Executivo em concordar com a extradição será "um duro golpe, uma injustiça em relação aos familiares das vítimas dos homicídios e atos de terror".

Ignazio La Russa, ministro da Defesa da Itália e um dos maiores porta-vozes da extradição, também reagiu. "Não é vingança querer que alguém condenado comece a cumprir pena." La Russa manifestou confiança na decisão de Lula. "Esperamos pela decisão do tribunal, agora vamos esperar o resultado da avaliação de Lula."

PROCURADOR

Outro a enaltecer a "recuperação da imagem" da Justiça italiana no Brasil foi Armando Spataro, procurador dos processos contra Battisti e hoje coordenador de Contraterrorismo em Milão.

"Estou grato à suprema corte brasileira, que reconhece a qualidade do trabalho que realizamos", ressaltou o procurador, em entrevista ao Estado. "Não falo por mim, como procurador do caso, mas por toda a Justiça italiana, porque o STF mostra que estávamos certos ao processar Battisti."

Satisfeito com o resultado do julgamento, Spataro se recusa, porém, a pedir um parecer favorável do presidente brasileiro à extradição do ativista de extrema esquerda. "Quero expressar o meu máximo respeito por qualquer decisão que seja tomada no caso Battisti."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.