Para moscas, ´brigar como homem´ está nos genes

Brigar "feito homem" ou "como mulher" é algo que já vem escrito nos neurônios das moscas-das-frutas, de acordo com estudo publicado na revista especializada Nature Neuroscience. Os resultados confirmam que um gene, batizado "fruitless", é um fator essencial nas diferenças de comportamento entre os sexos. A descoberta, feita por pesquisadores da Escola de medicina de Harvard e do Instituto de Patologia Molecular de Viena, marca um novo avanço no uso de um modelo animal para a compreensão da biologia da agressão, e como sistema nervoso produz diferentes comportamentos."Agressão é um problema sério na sociedade, e é um problema com um componente biológico e genético", diz um dos autores do trabalho, Edward Kravitz. "Queremos entender isso. Não consigo imaginar um sistema melhor para o estudo que a mosca-das-frutas. E ninguém se machuca".O gene fruitless é conhecido por seu papel na corte masculina. Ele responde pela produção de um conjunto de proteínas específicas do sistema nervoso das moscas, e que ocorrem em cerca de 2% dos neurônios. Essas proteínas são necessárias para que os machos cortejem corretamente as fêmeas. machos sem as proteínas não cortejam fêmeas, e às vezes cortejam machos, já mostraram pesquisas anteriores. Fêmeas com a versão masculina do gene cortejam outras fêmeas. O mesmo gene dirige outro comportamento que é diferente nos sexos: padrões de luta, mostra o novo estudo. O estilo feminino de combate, por exemplo, envolve cabeçadas e empurrões. Machos preferem um tipo de chave: eles empinam o corpo e em seguida mergulham, fechando as patas dianteiras ao redor do adversário.As moscas sofrem uma reversão de papéis quando as versões dos genes são trocadas entre os sexos. Machos com o gene feminino adotam a cabeçada, e as fêmeas com o gene masculino, a "chave de braço".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.