Paraguai e El Salvador não reconhecerão eleições em Honduras

Os governos de Paraguai e El Salvador disseram nesta terça-feira que não reconhecerão as eleições em Honduras, uma decisão semelhante às adotadas por Brasil e Argentina, por considerarem que o pleito será realizado sob um governo ilegítimo e ilegal.

REUTERS

24 de novembro de 2009 | 21h21

Honduras atravessa uma grave crise política desde que militares expulsaram do país o presidente Manuel Zelaya em 28 de junho.

Vários governos da região já afirmaram que não reconhecerão o vencedor das eleições, previstas para o próximo domingo, a menos que o líder deposto seja restabelecido na Presidência antes do pleito.

A chancelaria paraguaia disse em um comunicado que tomou esta decisão porque o governo imposto em Honduras após a queda de Zelaya tornou "vulnerável o Estado de direito e violentou as entidades democráticas e constitucionalmente instituídas".

"Apesar das tentativas da comunidade internacional para dar uma saída dialogada e pacífica a este conflito... o governo de facto descumpriu reincidentemente os acordo e as resoluções de organismos como a ONU e a OEA", afirmou a nota do governo paraguaio.

Por sua vez, o presidente de El Salvador, Mauricio Funes, disse que a administração de facto de Honduras, liderada por Roberto Micheletti, "usurpou funções e, portanto, não tem a legitimidade para convocar este processo eleitoral e tampouco dirigi-lo".

"Acho muito difícil que a comunidade internacional possa reconhecer estas eleições", disse Funes.

Brasil e Argentina afirmaram que não reconhecerão o resultado das eleições após uma reunião entre os presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Cristina Kirchner, em Brasília.

(Reportagem de Daniela Desantis, em Assunção, e de Nelson Rentería, em San Salvador)

Tudo o que sabemos sobre:
HONDURASPARAGUAIELSALVADORCRITICA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.