"Parente" extinto do homem tinha dieta variada

O "Paranthropus robustus", um hominídeo ereto que conviveu com os antepassados diretos do homem moderno há quase 2 milhões de anos, na África, tinha uma variada dieta sazonal, segundo um estudo de cientistas da Universidade do Colorado, publicado na revista Science. O trabalho questiona a teoria de que a espécie foi extinta por ter hábitos alimentares muito seletivos. Pelo contrário, a dieta do "Paranthropus robustus" consistia em diversos tipos de gramíneas, sementes e, possivelmente, animais, dizo estudo. "Ao analisar o esmalte dos dentes, descobrimos que eles comiam diferentes tipos de alimentos, que mudavam ao longo do ano",concluiu Ben Passey, co-autor da pesquisa. Os cientistas utilizaram a técnica de ablação de laser para examinar as dentaduras de quatro indivíduos encontrados na África doSul. Os dentes continham isótopos de carbono absorvidos do alimento durante a vida de cada hominídeo. Como árvores, arbustos e ervas produzem sinais isotópicos diferentes, os cientistas puderam determinar que o "Paranthropus" alterava sua dieta em períodos que iam de alguns meses até anos. "O método demonstrou que suas dietas eram extremamente variadas. "Uma possibilidade é de que eles migravam de um habitat de maior vegetação para outros mais abertos, como as savanas, dependendo daestação", diz Passey. Segundo Thure Cerlin, professor de geologia e biologia da Universidade de Utah, o estudo da espécie extinta é importante porque demonstra que a variação da dieta humana está "na família" hámuito tempo. "É o que permite aos seres humanos consumir alimentos de todo o mundo", observa. O "Paranthropus" fez parte de uma estreita linha de parentes do ser humano conhecidos como australopitecíneos. Entre eles está "Lucy", o fóssil de um ser que viveu há 3 milhões de anos e que muitos antropólogos consideram um antepassado direto dos humanos modernos. Segundo Matt Sponheimer, antropólogo da Universidade do Colorado, uma linha dos descendentes de "Lucy" levou aos seres humanos,enquanto a outra terminou num beco sem saída da evolução. "Sabendo agora que o ´paranthropus´ era flexível em seus hábitos alimentares, é provável que precisemos observar as diferenças culturais e sociais para explicar qual foi o seu destino", concluiu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.