Parentes de vítimas criticam relatório sobre voo 447

O presidente da Associação de Parentes das Vítimas do Voo 447 da Air France, Nelson Faria Marinho, criticou hoje, no Rio, o relatório do Escritório de Investigação e Análise da França (BEA), divulgado hoje. O documento apontou erros sucessivos dos pilotos durante a queda da aeronave, no dia 31 de maio de 2009.

PEDRO DANTAS, Agência Estado

29 de julho de 2011 | 12h53

"Isto é uma forma de testar a opinião pública para ver se a tese de falha humana é aceita. Nas aeronaves atuais, o piloto não faz nada além de decolar e aterrissar. Todo o efeito dominó que resultou na queda do avião começou com o congelamento das sondas pitots, que inviabilizou a leitura de velocidade e desativou o piloto automático", afirmou Marinho. Segundo ele, a opinião é compartilhada pela associação alemã de parentes das vítimas do 447.

Em junho de 2009, a Air France trocou os sensores de velocidade e já opera com os novos equipamentos. No entanto, Marinho afirma que a aeronave possui outras falhas e tenta desde a posse uma audiência com a presidente Dilma Rousseff. "Tenho um relatório de 750 páginas do Sindicato dos Pilotos da França, que aponta várias falhas. No entanto, o Cenipa (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos) da Aeronáutica só pode investigar com ordens da presidente, que até agora não recebeu nossa comissão", disse Marinho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.