Parlamento da Tunísia começa a votar nova Constituição

Três anos depois da revolução que estimulou outras revoltas ao redor do mundo árabe, o Parlamento da Tunísia começou a votar nesta sexta-feira uma nova Constituição, documento que ajudará a colocar novamente nos trilhos o seu turbulento processo rumo à democracia.

AZIZ EL YAAKOUBI, Reuters

03 de janeiro de 2014 | 15h01

A aprovação da legislação é um passo crucial antes de um governo interino assumir o poder para terminar com a crise entre islâmicos e partidos laicos, disputa que ameaçou a transição do país depois da queda do líder Zine al-Abdine Ben Ali.

Os passos finais da Tunísia em direção à democracia são tidos como um possível modelo para uma região onde o Egito, a Líbia e o Iêmen, que também tiveram líderes derrubados em 2011, estão tendo dificuldades com a violência, a instabilidade e um ressurgente islamismo.

Dos 217 integrantes da Assembleia Nacional, 192 compareceram ao debate de abertura sobre a Constituição. Os parlamentarem começaram a votar um por um nas cláusulas introdutórias do documento. A aprovação dos 146 artigos deve demorar pelo menos uma semana.

"Essa é uma Constituição para todos na Tunísia", disse Mustafa Ben Jaafar, presidente do Parlamento provisório, durante a sessão. "Estamos trabalhando duro com os diferentes partidos para finalizar o processo."

O partido islâmico Ennahda, que assumiu o poder há dois anos, e a oposição laica acordaram em finalizar a passagem do poder para um governo provisório por volta de 14 de janeiro, terceiro aniversário da queda de Ben Ali, tendo aprovado a Constituição e escolhido uma comissão eleitoral e uma data para o pleito.

Mais conteúdo sobre:
TUNISIACONSTITUICAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.