Parlamento romeno aprova governo de centro-esquerda

A nova coalizão governista de centro-esquerda da Romênia obteve um voto de confiança na segunda-feira, e em breve deve tomar decisões importantes contra a ameaça da crise financeira internacional sobre um dos países mais pobres da União Européia. A coalizão junta ex-inimigos que ficaram quase empatados na eleição de novembro: o Partido Democrata-Liberais (PDL, centrista) e o Partido dos Social-Democratas (PSD, herdeiro do regime comunista e marcado por escândalos). Essa coalizão dá alguma estabilidade política ao país num momento de forte desaceleração econômica, que pode deixar a Romênia sem caixa para bancar o seu enorme déficit comercial. Desde que aderiu à UE, dois anos atrás, a Romênia vive sob instabilidade política, o que a deixa mais vulnerável que seus vizinhos mais prósperos do Leste Europeu, segundo analistas. Mas um passado de intensa rivalidade entre o PD-L e os esquerdistas ameaça a capacidade do novo governo para cortar gastos públicos e retomar as políticas anticorrupção exigidas pela UE. "Este governo pode implementar políticas anticrise adequadas, desde que saiba como", disse Alina Mungiu-Pippidi, da Sociedade Acadêmica Romena, um centro de estudos em Bucareste. "Minha maior preocupação é que a luta contra a corrupção seja sacrificada em nome das medidas anticrise." A coalizão liderada pelo futuro primeiro-ministro Emil Boc obteve 324 votos favoráveis, e 115 contrários.

RADU MARINAS E LUIZA ILIE, REUTERS

22 Dezembro 2008 | 18h46

Mais conteúdo sobre:
ROMENIA GOVERNO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.