Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Parque de Fernando de Noronha vai cobrar ingresso

O governo do Estado de Pernambuco cobra uma taxa de preservação dos turistas que vão a Fernando de Noronha. O preço varia de acordo com os dias de permanência na ilha. Para ficar um dia, o visitante paga R$ 40,40. Para dez diárias, o valor é de R$ 329,6.

, O Estado de S.Paulo

27 de fevereiro de 2011 | 00h00

Depois desse período, o preço aumenta exponencialmente, já que o objetivo é desencorajar as pessoas a ficarem mais do que esse tempo no local.

Ainda no primeiro semestre deste ano, o Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha também passará a cobrar ingressos. Os visitantes do Brasil pagarão R$ 65 e os estrangeiros, R$ 130 - o ticket valerá por dez dias. A cobrança será feita pela Econoronha, que ganhou uma licitação no ano passado. Parte dos recursos arrecadados será usada para melhorias no parque, como a reforma de trilhas e a construção de um centro de visitantes.

Segundo a chefe do parque, Fabiana Bicudo, a unidade de conservação federal já faz o controle da visitação de um dos maiores atrativos do lugar, a Praia de Atalaia. Os turistas nadam e fazem snorkel numa piscina natural durante a maré seca - um ambiente frágil, com muitos corais e peixes. Podem entrar no máximo cem pessoas por dia - apenas 18 turistas entram de cada vez na praia. No parque todo, a média é de 60 mil pessoas ao ano.

Exemplos. As restrições para evitar danos ambientais ou ao patrimônio histórico têm ficado cada vez mais comuns.

Na Ilha do Mel (PR), que tem como destaques praias selvagens, o Farol das Conchas e a Fortaleza de Nossa Senhora dos Prazeres, carros não circulam e há um limite de visitantes de 5 mil pessoas por dia.

São Luiz do Paraitinga (SP), famosa pelo conjunto arquitetônico do século XIX e início do século XX tombado pelo governo paulista, colocou como teto a entrada de 1,2 mil veículos no carnaval deste ano. Eles não podem circular no Centro Histórico e cada carro terá de pagar R$ 50 de zona azul para estacionar na rua. Será cobrada uma taxa de turismo dos veículos coletivos no feriado - os ônibus pagarão R$ 400, os micro-ônibus, R$ 300 e as vans, R$ 200. No ano passado, a cidade ficou sem carnaval, após sofrer com as chuvas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.