Parque temático na Austrália simula campo de refugiados

Projeto de ONG visa mostrar realidade de milhares que vivem desalojados.

Phil Mercer, BBC

26 Fevereiro 2008 | 07h50

Um parque temático aberto em Melbourne , na Austrália, simula o dia-a-dia dos residentes de um campo de refugiados, para mostrar aos visitantes as dificuldades e o sofrimento de milhares de pessoas ao redor do mundo que vivem nessa situação, longe de suas casas. "Realidades de Refugiados", o espaço interativo criado pela instituição de caridade Oxfam, foi erguido em um deserto fictício com minas terrestres e pontos de segurança - também de mentira.Segundo os organizadores, a iniciativa tem o objetivo de mostrar aos visitantes a realidade de milhões de refugiados e tentar fazer com que os australianos entendam melhor as experiências daqueles que vivem desalojados. "A idéia é proporcionar às pessoas uma noção de como é se sentir desalojado em um lugar perigoso onde eles não sabem onde estão pisando", disse a diretora do projeto, Stephanie Cousins. Ainda segundo Cousins, o projeto é baseado em histórias verdadeiras de ex-refugiados que hoje moram na Austrália.Campo minadoOs visitantes passam duas horas no campo de refugiados, onde são levados a atravessar algumas das dificuldades enfrentadas por milhares de pessoas todos os dias.Durante a experiência, eles têm de negociar com guardas de segurança para atravessar certas áreas do campo, passar por campos minados, se registrar para conseguir comida, construir abrigos, tentar localizar parentes em listas de desaparecidos e pegar água de carros-tanque.Desde o fim da Segunda Guerra Mundial, estima-se que 675 mil pessoas tenham se estabelecido na Austrália com a ajuda de programas humanitários, após passarem por campos de refugiados.Nyadol Nyoun chegou à Austrália em 2004. Ela nasceu na Etiópia e passou 15 anos em um campo de refugiados no Quênia.Ela espera que a iniciativa da Oxfam em Melbourne "ajude a comunidade a apreciar as dificuldades que ela viveu"."Fico com lágrimas nos olhos quando penso nas dificuldades que passei. Hoje eu sou australiana e penso que finalmente tenho alguma coisa que me torna mais humana", disse Nyon. "Eu quero que as pessoas que vêm aqui olhem a seu redor e tentem adotar a força dos refugiados, porque só por meio disso que será possível respeitá-los." Estudos realizados na Austrália mostram que os australianos têm atitudes e opiniões ambivalentes sobre os refugiados e pessoas que pedem asilo.Organizações de caridade estimam que 34 milhões de pessoas estejam atualmente desalojadas em todo o mundo devido a guerras e outras crises humanitárias em inúmeros países.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.