Pássaro tido como 'espião israelense' causa alarde em vilarejo turco

Ave que trazia anel em que se podia ler 'Israel' provoca intervenção de autoridades.

BBC Brasil, BBC

17 Maio 2012 | 06h48

Um pássaro migratório causou alarde em uma vila no sudeste da Turquia depois que habitantes locais o confundiram com um espião israelense.

As suspeitas dos moradores foram despertados quando o pássaro, um abelharuco-comum (Merops apiaster), foi encontrado morto em um campo com um anel de metal em torno de sua perna no qual se lia "Israel".

Eles chamaram a polícia depois de suspeitar do bico da ave, que seria extraordinariamente grande e, segundo imaginaram, poderia levar um microchip instalado pelo serviço de inteligência de Israel, o Mossad.

O animal foi levado para peritos governamentais para exame e declarado seguro.

Teorias conspiratórias

O correspondente da BBC em Istambul, Jonathan Head, disse que o escritório regional do Ministério da Agricultura turco examinou o cadáver de coloridas plumas e explicou aos moradores da vila, perto da cidade de Gaziantep, que era prática comum colocar um anel em aves migratórias, a fim de rastrear seus movimentos.

Uma autoridade do ministério disse à BBC que não foi fácil convencer a polícia local de que o abelharuco não representava uma ameaça à segurança nacional.

Em um certo ponto, uma unidade de contraterrorismo chegou a ser envolvida no caso.

Segundo o correspondente, teorias de conspiração implausíveis criam raízes facilmente na Turquia, com supostas tramas de Israel entre as maiores suspeitas.

Os laços entre a Turquia e Israel se deterioraram acentuadamente depois que nove ativistas turcos pró-palestinos morreram em um ataque de forças de segurança israelenses contra um barco que tentava romper o bloqueio à Faixa de Gaza, há dois anos. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Mais conteúdo sobre:
also Turquia Israel pássaro espião

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.