Patrus: nórdicos são referência de programas sociais

A referência do governo Lula em matéria de programas sociais é o que é feito nos países nórdicos, informou hoje o ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Patrus Ananias. "Esses países conseguem garantir oportunidades iguais aos seus cidadãos, com grandes investimentos nas áreas de saúde e de educação, entre outras", afirmou, durante audiência pública na Comissão Especial da Câmara dos Deputados que discute a prorrogação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF).Os países nórdicos compreendem uma região ao norte da Europa, composta por Noruega, Suécia, Finlândia, Dinamarca e Islândia. Neles, a carga tributária é a mais elevada do mundo e chega a 61% do Produto Interno Bruto (PIB) na Suécia. Os governos desses países utilizam a elevada receita tributária para garantir saúde e educação de boa qualidade a todos os cidadãos, bem como um sistema previdenciário universal.Na defesa da prorrogação da CPMF e contra o discurso de menos imposto agitado pela oposição, principalmente pelos parlamentares do DEM, o ministro Ananias disse que não se faz programas sociais de graça. "Os impostos são necessários, pois uma sociedade justa custa caro", afirmou. E acrescentou: "O Estado democrático de direito precisa de recursos".Tanto Patrus como o ministro da Fazenda, Guido Mantega, tentaram mostrar que a discussão em torno da prorrogação da CPMF envolve, na verdade, uma discussão sobre que tipo de Estado deve-se manter no Brasil. "Se queremos ter segurança pública, Forças Armadas prontas para a defesa do País, uma educação e uma saúde de boa qualidade e programas que ajudem a erradicar a pobreza, o Estado precisa de recursos", sintetizou Patrus.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.