'PCC se resume a 30 líderes em presídio', diz secretário

O secretário de Segurança Pública de São Paulo, Antonio Ferreira Pinto, afirmou, em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, que o Primeiro Comando da Capital (PCC) se resume a 30 líderes em presídio. "O PCC são no máximo 30 presos influentes que exercem algum poder de decisão e estão cumprindo pena em um só presídio, em Presidente Venceslau." Ele também disse que o poderio da facção diminuiu "sensivelmente" e que "não há clima para que 2006 possa repetir-se", afirmou, em referência à rebelião em 74 presídios e aos ataques do PCC nas ruas do Estado.

AE, Agência Estado

12 de maio de 2011 | 11h13

Questionado sobre se é o PCC que fornece toda a droga que chega a São Paulo, o secretário afirmou que "não necessariamente". "É que o PCC hoje é uma grande franquia. Todo mundo para ter status diz que pertence ao PCC, mas na realidade existem muitos grupos criminosos bem organizados que não têm ligação com a facção."

O secretário negou ainda que o PCC tenha uma papel disciplinador dentro das prisões. "Longe disso. Isso é glamourizar a facção. Eles estão voltados ao ganho com tráfico de entorpecentes. Fazem que o grupo que lideram do lado de fora tenha primazia em determinados setores de distribuição no comércio de cocaína. Mas não há viés disciplinador, nenhum poder paralelo, mesmo porque não damos espaço para isso."

Agentes penitenciários, integrantes da Pastoral Carcerária, acadêmicos que estudam o PCC, integrantes do Ministério Público Estadual (MPE) e lideranças comunitárias em São Paulo desmentem a versão oficial. E afirmam que o poder da facção continua forte não só dentro das prisões do Estado como também nas periferias das grandes cidades paulistas.

Segundo o secretário-geral do Sindicato dos Agentes Penitenciários de São Paulo, Rozalvo José da Silva, a situação não mudou nada nos últimos cinco anos, porque o Estado permanece "ausente" nas penitenciárias. Segundo Silva, a disciplina interna no sistema é mantida pelos detentos e as prisões estão superlotadas.

De acordo com ele, nos últimos cinco anos, o sistema recebeu 25 mil novos presos e chegou aos 171 mil - há capacidade para 98.995 vagas. O total de agentes se manteve praticamente estável. "Se você vai hoje a um Centro de Detenção Provisória (CDP), com 2 mil presos e capacidade para 700, há apenas 12 agentes para cuidar de toda a massa. Os presos acabam exercendo esse papel (de disciplinador)", afirma. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.