Pedidos de casamento inusitados viram moda na Grã-Bretanha

Veja alguns casos de propostas surpreendentes e feitas em público.

BBC Brasil, BBC

17 Abril 2012 | 11h36

Cada vez mais pessoas na Grã-Bretanha realizam pedidos de casamentos inusitados e em público.

Propostas feitas em estádios durante eventos esportivos, ou envolvendo flash mobs ou feitos em meios de transporte como aviões ou trens, muitas vezes evolvendo um considerável esforço de produção - como a contratação de um coral, por exemplo -, e sempre evitando que a (o) noiva (o) percebam se tornaram moda no país.

Pedidos feitos nessas condições podem impressionar pela criatividade e pelo grau de romantismo do pretendente. Mas, pelo outro lado, são arriscados.

Recusas costumam ser extremamente humilhantes e, assim como os pedidos bem-sucedidos, são sucesso na internet em sites como o YouTube.

"Ou você fica emocionada ou aterrorizada por algo assim...Mas no fundo é muito romântico. Bem, pelo menos demonstra organização", diz a planejadora de casamentos Siobhan Craven-Robins.

Ela acredita que a moda, surgida nos EUA, se espalha por terras britânicas porque a crescente expectativa envolvendo os casamentos leva muitos a pensar que o pedido também deve ser extraordinário.

Já o psicólogo Glenn Wilson acha que um pedido público pode ser uma forma de pressionar a noiva (ou noivo) a dizer sim.

"Se ela disser não, é mais difícil mudar a resposta posteriormente", ressalta ele.

Veja abaixo alguns depoimentos de britânicos contando como foi sua experiência com pedidos públicos de casamento:

Chris, Bexleyheath

Pedi a mão da minha noiva no dia do seu aniversário, durante uma viagem aérea de Londres para Nova York.

A tripulação foi mais que prestativa e me deixou usar o microfone para fazer o pedido enquanto todos ainda estavam com os cintos apertados, minimizando as chances de movimentação excessiva causada pela emoção.

Eles nos deram champanha. Minha noiva recebeu os parabéns durante toda a viagem. Acho que ela me perdoou, já que aceitou.

Tim, Liverpool

Tentei fazer o pedido com cartazes espalhados ao longo de cinco pontes na rodovia que minha namorada usava até sua casa. Mas por pouco não deu certo. Quando colocava o último cartaz, a polícia disse que eu tinha 20 minutos para retirar tudo. Tentei negociar, sem sucesso, para deixar as placas por pelos os 40 minutos necessários para que ela passasse e os visse.

Fiz o pedido 10 dias depois, privadamente, e nos casamos em três semanas. Pelo menos a história deu assunto para o padrinho fazer um bom discurso.

James Swinburne, Manchester

Meu namorado fez a proposta em Paris no dia do meu aniversário com um anel da Tiffany que ele comprou após economizar por dois anos.

Era o último dia de uma viagem surpresa. Ele me levou para comer e fez o pedido no alto da Torre Eiffel.

Me lembro de pensar no quanto ele era corajoso de fazer a proposta a outro homem na frente de tanta gente.

Mas todos disseram que adoraram. Muita gente fez festa, nos dando os parabéns, tirando fotos e dando dicas. Foi incrível.

Vinay Mistry, Bradford

A proposta aconteceu com um flash mob e um coral. Fiz só para ser diferente. Também acho que as mulheres gostam de pedidos inusitados e um restaurante seria muito clichê.

Krishna não tinha a menor ideia e ficou em estado de choque. Em determinado momento ela me disse que estava passando mal, mas disse que adorou a coisa toda e não poderia ter tido sua mão pedida de forma melhor.

Ela diz que nada que eu pudesse fazer depois seria tão bom quanto isso.

Brian, Bristol

Meu pedido aconteceu durante um mergulho em Tenerife. Coloquei o anel em uma caixa que parecia um baú do tesouro e havia preparado alguns cartões com a proposta. Dei a ela cartões com as escritas 'Sim' e 'Não' para que ela pudesse responder.

Dei a caixa ao instrutor que a escondeu para que ela a encontrasse. Enquanto Hayley a via, me ajoelhei. Ela aceitou e o casamento foi marcado para março de 2013. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.