Pelo menos 1.700 mineiros são resgatados na África do Sul

Acidente em mina de ouro deixa mais de 3 mil homens presos em poço a mais de 2,2 km de profundidade

Agências internacionais,

04 de outubro de 2007 | 06h00

Equipes de resgate estão tentando salvar os mais de 3 mil mineiros que continuam presos a 2,2 quilômetros de profundidade em uma mina de ouro na África do Sul. Pelo menos 1.700 trabalhadores foram resgatados durante uma dramática operação que durou toda a madrugada desta quinta-feira, 4, enquanto centenas de bombeiros exaustos lutam para trazer os restantes para a superfície.   Os mineiros estão sendo retirados do local por um poço adjacente. Segundo a BBC, o trabalho de resgate é lento, porque só podem ser retiradas 300 pessoas por hora. O acidente na mina de Elandsrand, pertencente à empresa Harmony Gold Mining, ocorreu por volta das 10h de quarta-feira (5h, pelo horário de Brasília). Um cano quebrado cortou os cabos do elevador, que caiu no fundo do poço, causando estragos graves. Alguns dos trabalhadores estão debaixo da terra desde o turno da noite de terça-feira e, segundo relatos, estariam cansados e com fome. A porta-voz da Harmony Gold Mining, Amelia Soares, disse à BBC, no entanto, que paramédicos conseguiram chegar até o local onde os trabalhadores estavam presos e constataram que não havia feridos. Ela disse ainda que o fundo do poço onde eles estavam era bem ventilado, que eles tinham acesso a água e que não há risco de inundação no local. A mina onde ocorreu o acidente está localizada na Bacia de Witwatersrand, que tem o maior depósito de ouro do mundo. Segundo o correspondente da BBC em Johanesburgo, Peter Biles, o ouro ainda é importante para a economia da África do Sul, mas a indústria está em declínio nos últimos anos.   Representantes sindicais se queixaram que a mina estava há muito tempo sem manutenção e que não existiam saídas de emergência para poder evacuar os mineiros em caso de emergência.

Tudo o que sabemos sobre:
áfrica do sulminasmineirosacidente

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.