Pensei em renunciar ao mandato, diz Demóstenes

O senador Demóstenes Torres (sem partido-GO) afirmou que chegou a pensar em renunciar ao seu mandato, durante depoimento nesta terça-feira ao Conselho de Ética do Senado, que o investiga por quebra de decoro parlamentar devido a sua relação com Carlinhos Cachoeira.

REUTERS

29 Maio 2012 | 11h47

"Vivo um momento que eu jamais esperaria passar. A partir de 29 de fevereiro deste ano, eu passei a enfrentar algo que nunca tinha enfrentando em minha vida: depressão, remédio para dormir e que não faz efeito, fuga dos amigos e talvez a campanha sistemática mais orquestrada da história do Brasil", afirmou o senador ao começar sua defesa perante o Conselho de Ética, que pode pedir a cassação de seu mandato.

"Pensei nas piores coisas, pensei em renunciar ao meu mandato", afirmou o senador, que após apresentar a defesa responderá perguntas feitas por parlamentares.

Alvo de denúncias, que apontaram que Demóstenes teria pedido a Cachoeira que pagasse despesa com táxi-aéreo de 3 mil reais, além de supostamente ter revelado detalhes de reuniões reservadas das quais participou com autoridades do Executivo, do Judiciário e do Legislativo, o parlamentar anunciou no início de abril sua desfiliação do DEM.

Demóstenes é também alvo de inquérito aberto em março pelo Supremo Tribunal Federal (STF), que solicitou ainda a quebra do sigilo bancário do senador por suas ligações com Cachoeira, preso desde fevereiro acusado de comandar uma rede de jogos ilegais.

(Reportagem de Maria Carolina Marcello)

Mais conteúdo sobre:
POLITICA DEMOSTENES CETICA SENADO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.