Pequim remove último vilão ambiental, de olho nos Jogos de 2008

Uma fábrica de coque e carvão que fornecia calor e energia a 710 mil casas e 5 mil hotéis foi a última instalação considerada altamente poluente a abandonar o distrito urbano de Pequim, para garantir Jogos Olímpicos livres de poluição.Segundo informou nesta sexta-feira o Comitê Organizador de Pequim-2008(Bocog), a cidade ficará, assim, livre de 4,3 bilhões de metroscúbicos de emissões poluentes, conseqüência da queima anual de 2,96milhões de toneladas de carvão.A indústria fornecia energia às embaixadas, a Zhongnanhai (sededo governo) e aos hotéis de luxo desde os tempos do ditador MaoTsé-tung."Ela foi fundada por necessidades ambientais e fechada também pornecessidades ambientais", disse um alto funcionário da fábrica,quase um mito na China.A sua atividade se manteve durante 47 anos, não parando sequer noterremoto de Tangshan, o terceiro pior da história.Pequim prometeu Jogos Olímpicos Verdes. Em 2002, a administraçãomunicipal estabeleceu um plano operacional para transferir todas asempresas poluentes para longe da cidade.O maior desafio é fazer os visitantes verem Pequim como umacidade livre de poluição. Normalmente, a capital é coberta por umadensa nuvem cinza.

Agencia Estado,

28 de julho de 2006 | 17h09

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.