Peregrino leva 4 horas para se inscrever no Sambódromo

O peregrino que não se inscreveu pela internet para a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) levou até quatro horas nesta segunda-feira, no primeiro dia de inscrições presenciais no Sambódromo, no centro do Rio. Sob forte sol, fiéis tiveram de entrar em três filas diferentes - duas delas em pontos opostos da Marquês de Sapucaí - para conseguir pagar a taxa e retirar a mochila com o kit peregrino, que começou a ser entregue ontem também para quem já havia se inscrito.

TIAGO ROGERO E LUCIANA NUNES LEAL, Agência Estado

15 de julho de 2013 | 20h25

Segundo o Comitê Organizador Local (COL) da JMJ, 350 mil peregrinos já se inscreveram, a maioria de Brasil, Argentina, EUA, Chile, Itália, Venezuela, França, Paraguai, Peru e México. O público feminino é maior: 55%. Mais da metade dos inscritos, 60%, têm entre 19 e 34 anos e, dos 350 mil, 155 mil pediram hospedagem na cidade.

O missionário Orci Monteiro, de 21 anos, veio de Porto Rico do Maranhão e ontem estava ao meio-dia no Sambódromo. Só pegou o kit às 16h. "Disseram que o sistema está lento", contou o maranhense. A primeira fila era a mais demorada: três horas só para fazer o pagamento. Depois de mais de 40 minutos na fila, o carioca Rodrigo Meireles, de 33 anos, desistiu e resolveu voltar noutro dia.

Após o pagamento, os fiéis recebiam um papel improvisado com um número de registro e tinham de seguir a outra fila (mais 30 minutos) para pegar o voucher de retirada do kit. O acesso para retirar a mochila fica na outra ponta da Marquês de Sapucaí, a 400m. De guichê em guichê, o fiel vai montando seu kit: vale-alimentação, transporte, depois mochila (com camisa da JMJ, boné e terço) e livros (guia do peregrino, livro litúrgico e manual de bioética).

Segundo o Comitê Organizador Local da JMJ, "houve um problema técnico no sistema na parte da manhã, o que ocasionou filas. A questão foi resolvida ao meio dia e o sistema já está funcionando normalmente".

Mais conteúdo sobre:
JMJkit

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.