PERFIL-Gleisi Hoffmann traz perfil técnico para a Casa Civil

A senadora Gleisi Helena Hoffmann (PT-PR), convidada pela presidente Dilma Rousseff a assumir a Casa Civil no lugar do ex-ministro Antonio Palocci, traz um perfil mais técnico que político para um dos ministérios mais importantes do governo.

REUTERS

07 Junho 2011 | 19h42

A dúvida que paira agora é se a senadora no primeiro e mulher do ministro das comunicações, Paulo Bernardo, será uma boa articuladora política para o governo.

"Ela é uma opção pela novidade", disse o analista político Rafael Cortez, da Tendências Consultoria, sobre a nomeação.

Até poucos dias atrás, ela nem circulava entre os possíveis nomes ventilados para a sucessão de Palocci.

Em meio à crise envolvendo o ministro, a mídia começou a apontar nomes de possíveis sucessores, como a atual ministra do Planejamento, Miriam Belchior, o próprio Paulo Bernardo, ou até a diretora de Gás e Energia da Petrobras, Maria das Graças Foster.

Gleisi, de 45 anos, vive sua primeira temporada no Congresso, mas vêm de um círculo próximo da presidente Dilma Rousseff e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A senadora integra o PT desde 1989 e foi eleita senadora pelo Paraná pela primeira vez em 2010, depois de disputar, sem sucesso, uma vaga no Senado em 2006, apesar da expressiva votação.

Advogada, formada pela Faculdade de Direito de Curitiba, com especialização em Gestão de Organizações Públicas e Administração Financeira, ela também foi secretária de Estado no Mato Grosso do Sul e secretária de Gestão Pública da prefeitura de Londrina.

Em 2002, ela participou da equipe de transição de governo Lula. Foi nomeada no ano seguinte diretora financeira da Hidrelétrica de Itaipu, onde ficou até o início de 2006, sendo a primeira mulher a assumir um cargo de direção em 30 anos de atividades da usina.

Apesar de um histórico mais técnico, Gleisi foi ganhando experiência política ao longo do tempo, segundo especialistas.

(Texto de Bruno Marfinati)

Mais conteúdo sobre:
POLITICA GLEISI PERFIL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.