Perícia descarta sangue no carro do pai de Isabella

Exames do Instituto de Criminalística (IC) de São Paulo praticamente afastaram a hipótese de que exista sangue no Ford Ka do consultor jurídico Alexandre Carlos Nardoni, de 29 anos, pai da menina Isabella, que morreu após cair do 6º andar do prédio onde mora o pai, na zona norte de São Paulo. Os resultados dos primeiros exames ficaram prontos ontem à noite. Pouco depois das 20 horas, ainda faltavam algumas provas para serem examinadas, mas os peritos consideravam improvável que o teste desse positivo para sangue. ?As primeiras manchas eram aquelas em que a gente tinha uma esperança muito grande. O que sobra agora deve ser mancha de graxa ou de óleo?, afirmou um dos peritos que trabalham no caso.Ainda falta o exame do material colhido no corredor do 6º andar do prédio onde o crime ocorreu e das manchas achadas no interior do apartamento. Um especialista em exame de DNA e de exames hematológicos foi destacado pela direção do IC para cuidar dessa análise. No começo da noite de ontem, peritos do Instituto de Criminalística retornaram ao apartamento para nova perícia complementar. O objetivo era fazer mais medições do lugar para o laudo sobre a cena do crime. Eles aguardam ainda a definição da causa da morte da menina para resolver algumas das dúvidas.De acordo com o diretor técnico do Instituto Médico-Legal, Hideaki Kawata, Isabella morreu em decorrência da queda. Para ele, os sinais encontrados no pulmão e no coração da menina podem sinalizar uma parada cardiorrespiratória, e não o resultado de uma tentativa de asfixia ou esganadura. Os legistas do IML, no entanto, não descartam que a morte de Isabella tenha sido motivada por asfixia.O instituto aguarda a conclusão do exame toxicológico e patológico de Isabella para divulgar o laudo final. A polícia ainda busca fitas de vídeo com imagens do sistema interno de um supermercado de Guarulhos para saber com que roupa Alexandre estava no dia do crime. Eles querem confirmar se o consultor estava vestindo a camisa e a camiseta com manchas de sangue encontradas no apartamento de sua irmã, Cristiane Nardoni. Ela é dona de um imóvel no mesmo andar em que ocorreu o crime. Cristiane diz que as roupas pertencem a pedreiros. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

AE, Agencia Estado

08 de abril de 2008 | 08h02

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.