Peritos avaliam danos causados por depredação no Rio

Depois de uma noite de vandalismo no centro do Rio, bancos, prédios comerciais e lojas da avenida Rio Branco remediam os danos causados pela depredação, especialmente nas proximidades da Cinelândia. O principal foco de confronto foi o Palácio Pedro Ernesto, sede da Camara de Vereadores da capital fluminense. Na lateral do prédio, na rua Evaristo da Veiga, mascarados identificados com a tática Black Bloc danificaram um portão e lançaram bombas incendiárias contra vidraças.

ADRIANO BARCELOS, Agência Estado

08 Outubro 2013 | 11h00

O fogo chegou a janelas e cortinas e só não se alastrou porque guardas municipais apagaram o foco de incêndio do lado de dentro do prédio. Os black blocs atuaram por cerca de 20 minutos no local, sem que policiais militares, que estavam a cerca de 200 metros, avançassem para coibir a violência. Na manhã desta terça-feira, 8, está sendo realizada uma perícia técnica na Câmara de Vereadores para avaliar prejuízos e tentar apurar responsabilidades sobre o ato de vandalismo.

Houve ataques também às sedes dos consulados dos Estados Unidos e Angola, que ficam entre a Cinelândia e a região do aterro do Flamengo.

Mais conteúdo sobre:
protestos Rio estragos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.