Peso da exportação na produção vai a quase 20% em 2011

A participação das exportações no valor da produção industrial brasileira aumentou para 19,8 por cento em 2011, dois pontos percentuais superior ao apurado em 2010, informou nesta segunda-feira a Confederação Nacional da Indústria (CNI).

REUTERS

19 Março 2012 | 15h53

Segundo a entidade, foi o segundo aumento anual consecutivo do índice, conhecido como Coeficiente de Exportação.

Por outro lado, a participação das importações no consumo doméstico de bens industriais atingiu recorde no ano passado, afirmou a CNI, indo também a 19,8 por cento do total. Em 2010, essa participação tinha sido de 17,8 por cento.

Segundo o gerente-executivo da unidade de política econômica da CNI, Flávio Castelo Branco, os coeficientes de importação e de exportação da indústria estão nos mesmos patamares devido, principalmente, à influência das exportações de indústrias mais ligadas às commodities.

No setor de extração de minerais metálicos, por exemplo, as exportações representaram o equivalente a 93,8 por cento da produção em 2011.

Já na chamada indústria de transformação, o coeficiente das exportações foi de 15 por cento, abaixo da penetração das importações para esse tipo de indústria, de 18,5 por cento.

"Para a indústria de transformação isso representa um déficit", disse Castelo Branco.

O levantamento mostrou ainda que o coeficiente de insumos importados usados na indústria brasileira chegou a 21,7 por cento, alta de 2,6 pontos porcentuais em relação a 2010.

SETORES

Entre os setores que aumentaram o peso da exportação em sua produção, os destaques foram metalurgia, que saiu de 23,3 por cento em 2010 para 30,2 por cento em 2011; máquinas e equipamentos (16,2 para 19,9 por cento) e têxteis (9,9 para 13,6 por cento).

Já em termos de penetração das importações no mercado doméstico, o setor de informática, eletrônicos e ópticos passou de 45,4 para 51 por cento. Nos derivados de petróleo e combustíveis, a presença das importações passou de 17,8 por cento em 2010 para 23,3 por cento no ano passado.

No segmento de máquinas e equipamentos, os importados representaram 36,8 por cento em 2011, contra 32,5 por cento no ano anterior.

(Por Leonardo Goy; edição de Aluísio Alves)

Mais conteúdo sobre:
MACRO INDUSTRIA BALANCO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.