Pesquisa aponta vitória apertada de Berlusconi na Itália

Boca-de-urna diz que ex-premiê lidera resultado da apuração; Walter Veltroni admite derrota

Agências internacionais,

14 de abril de 2008 | 10h22

Projeções feitas com base em resultados iniciais da votação italiana davam ao empresário Silvio Berlusconi, nesta segunda-feira, 14, a liderança nas eleições parlamentares. Uma projeção feita pela tevê estatal RAI indica que o bloco liderado por Berlusconi alcançou a maioria absoluta no Senado, ganhando 164 do total de 315 cadeiras da casa.   Veja também: Baixo comparecimento marca primeiro dia Eleitor come cédula em protesto contra políticos italianos Berlusconi abandona pose de mágico  Veltroni gosta de comparar-se a Obama Ouça análise sobre os candidatos da eleição italiana  Conheça o dois principais candidatos à premiê na Itália e entenda o processo eleitoral do país    Na Câmara dos Deputados, a coalizão conservadora liderada por Berlusconi tem 44,1% dos votos, contra 39,9% da coligação de Walter Veltroni, segundo dados oficiais do Ministério do Interior da Itália, apurados 15,6% dos sufrágios.   A aparente vitória fez com que Berlusconi se declarasse "profundamente satisfeito" com os resultados das eleições.   O líder da coalizão de centro-esquerda, Walter Veltroni, admitiu a derrota na eleições italianas. Ele declarou nesta segunda-feira, 14, que ligou para Berlusconi para parabenizá-lo por sua vitória. Em entrevista à TV italiana, ele disse que os resultados são claros, mesmo que a contagem ainda não tenha terminado.   Em eleições passadas, as pesquisas de boca-de-urna se mostraram pouco confiáveis na Itália. Na última votação, elas apontavam para uma vantagem de cinco pontos percentuais de Romano Prodi. Na apuração oficial, Prodi venceu com uma diferença bem menor - de apenas 24 mil votos. Pelo bastante criticado sistema eleitoral do país, um partido apenas precisa de uma maioria mínima na Câmara dos Deputados - mesmo que seja uma vitória por apenas um voto - para assegurar um bônus, que lhe garante o controle desta Casa.   No Senado, a situação só deve ficar mais clara com a apuração nas 20 regiões do país. As vagas dos senadores são decididas por região, e não baseadas nos resultados nacionais refletidos nas bocas-de-urna.   De acordo com dados preliminares do Ministério do Interior, o comparecimento foi menor que na eleição anterior. Foram às urnas 80,40% dos eleitores registrados, três pontos percentuais a menos que na última votação. Estão em disputa 945 vagas no Parlamento. Destas, 630 são para a Câmara dos Deputados.   Uma alteração aprovada em 2005 e usada nas últimas eleições nacionais dificultou a obtenção de uma sólida maioria no Senado. A situação é criticada, por criar instabilidade. O vencedor terá como principal desafio melhorar a economia. Segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI), a Itália deve crescer 0,3% neste ano. Como comparação, os países da zona do euro crescerão em média 1,4%.   Matéria atualizada às 15h20.

Tudo o que sabemos sobre:
Itáliaeleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.