Pesquisa global diz que 44% acham que Brasil tem influência positiva

Pesquisa da BBC revela que influência do Brasil no mundo é vista como positiva.

Da BBC Brasil, BBC

02 de abril de 2008 | 08h30

Uma pesquisa feita em 34 países revelou que 44% das pessoas acreditam que o Brail exerce uma influência positiva no mundo. A sondagem, encomendada pelo Serviço Mundial da BBC e divulgada nesta quarta-feira, registrou a opinião de cerca de 18 mil pessoas em 34 países sobre a influência exercida no mundo por outros países. Os entrevistados eram perguntados sobre sua percepção de um grupo formado por 13 países mais a União Européia. De acordo com a pesquisa, 44% dos entrevistados acreditam que o Brasil exerce uma influência positiva, contra 23% que avaliam o impacto do país como negativo. O Brasil ficou em 6º lugar entre os países melhores avaliados - na frente dos parceiros dos BRICs (Brasil, Rússia, Índia e China) e atrás apenas da Alemanha, Japão, União Européia, França e Grã-Bretanha. Entre os países que melhor avaliaram o Brasil estão o Quênia, onde 67% dos entrevistados afirmaram que a influência do país é positiva, o Chile (65%) e os Estados Unidos (61%). O levantamento indica ainda que apenas dois países avaliaram a influência do Brasil de forma negativa - o Egito, onde 43% acreditam que o impacto do país é negativo e 34% afirmaram que a influência é positiva e a Turquia, onde a avaliação negativa de 40% superou a positiva em dez pontos percentuais. RegiõesA influência do Brasil é vista com bons olhos também entre os outros países da América Latina. A melhor avaliação é a do Chile, onde a maioria de 65% acredita que o Brasil exerce uma influência positiva no mundo. Na Argentina, 41% avaliam o impacto do país de forma positiva, assim como 40% dos mexicanos e 38% das pessoas entrevistadas nos países da América Central. Na América do Norte, os Estados Unidos foi o país que melhor avaliou a influência do Brasil - 61% dos entrevistados afirmaram que o impacto do país é positivo, comparados com 44% dos canadenses que avaliaram o Brasil de forma positiva. Entre os africanos, a opinião geral é positiva. Além do Quênia, que tem a melhor avaliação do Brasil entre todos os países consultados, metade dos nigerianos e 36% dos ganenses também acreditam que a influência do país é positiva. A tendência positiva é observada também pelos resultados das entrevistas realizadas na Ásia, onde a avaliação acerca da influência do Brasil é positiva entre 54% dos entrevistados na Coréia do Sul, 52% na China e 29% no Japão.Apesar de ter uma das avaliações mais baixas sobre o Brasil entre os países asiáticos, o Japão foi o país melhor avaliado entre os brasileiros entrevistados na pesquisa. No Brasil, 64% acreditam que a influência do Japão é positiva no mundo. EuropaEntre os países europeus, a melhor avaliação da influência do Brasil foi registrada na Grã-Bretanha - 43% consideram positiva contra 31% que avaliaram o impacto como negativo. Um pouco atrás dos britânicos, 42% dos espanhóis afirmaram que a influência do Brasil é positiva, contra 23% cuja avaliação foi negativa. A avaliação positiva ficou clara ainda na França (40%) e na Itália (39%). Apesar da relação histórica e da proximidade cultural com o Brasil, a pesquisa sugere que os portugueses têm opiniões divididas sobre a influência da ex-colônia no mundo. De acordo com os resultados, 36% dos portugueses avaliaram o impacto de forma positiva, enquanto 34% afirmaram que a influência é negativa. No ranking geral da pesquisa, conduzida pela empresa GlobalScan e pelo Programa de Atitudes Políticas Internacionais (PIPA, na sigla em inglês), os países que obtiveram a avaliação mais positiva foram a Alemanha e o Japão - 56% das pessoas nos países consultados têm opinião positiva sobre a influência de ambos no mundo. O Irã é o país com a pior avaliação - 56% avaliam a influência do país de forma negativa.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.