Pesquisadores descobrem mutação que destrói o coração

Cientistas da Universidade do Texas Southwestern identificaram um grupo de mutações de genes da mosca de fruta responsável por destruir o coração do inseto nos estágios embrionários do desenvolvimento. Essa descoberta poderá levar à identificação de genes que causam defeitos cardíacos em seres humanos."Criamos uma mosca para que o coração brilhasse no escuro e descobrimos um novo tipo de malformação, de forma totalmente inesperada", disse o cientista Eric Olson, principal autor do estudo, que será publicado na edição desta sexta-feira da revista Science. "Chamamos o defeito de ´coração quebrado´ porque dois tipos de célula cardíaca se separaram, levando o coração a desmontar, com perda de função e morte embrionária".O coração é o primeiro órgão a se formar e a funcionar no embrião. Anomalias no processo de formação cardíaca levam a defeitos congênitos no coração, que são os defeitos de nascença mais comuns em seres humanos, afligindo cerca de 1% dos recém-nascidos. Como a formação do coração é muito similar em todo o reino animal, a mosca de fruta é um modelo útil para estudar as causas dos defeitos cardíacos nos mamíferos, disse Olson.Os pesquisadores descobriram que mutações em genes que codificam enzimas para a formação de um lipídio causam esse problema de "coração quebrado" em moscas. Uma das enzimas, a HMG CoA redutase, tem um papel importante na síntese de colesterol em seres humanos.

Agencia Estado,

20 de julho de 2006 | 19h05

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.