Petistas do Rio definem hoje nova direção estadual

A divisão entre tendências, as adesões de última hora e a pressão exercida por ministros e demais autoridades acirraram ainda mais o segundo turno da eleição à presidência do PT do Rio entre o deputado Luiz Sérgio e o ex-subsecretário estadual de Direitos Humanos Lourival Casula. Mais do que o comando estadual, está em jogo como o PT deverá participar da eleição de 2010: apoiando a reeleição do Sérgio Cabral (PMDB) ou com candidatura própria - do prefeito de Nova Iguaçu, Lindberg Farias. Mais de 35 mil petistas são esperados hoje para participar da segunda votação.

ALFREDO JUNQUEIRA, O Estadao de S.Paulo

06 Dezembro 2009 | 00h00

Vencedor do primeiro turno com 39% dos votos válidos, Luiz Sérgio mudou radicalmente de discurso na reta final. Depois de defender a aliança com Cabral já no primeiro turno, agora fala em esperar a diretriz que será estabelecida pelo congresso nacional do partido, em fevereiro.

Para Lindberg, o deputado percebeu que o discurso em favor da aliança com Cabral "não agradava a quase ninguém no partido". "A votação nas chapas para o congresso estadual já nos deu 55% dos delegados. A eleição de Casula pode facilitar, mas a tese da candidatura própria já saiu vencedora no primeiro turno."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.