Petrobras desiste de vender refinaria nos EUA

A refinaria de Pasadena, nos EUA, saiu do plano de desinvestimento da Petrobras, disse a presidente da estatal nesta terça-feira, Maria das Graças Foster, ao comentar o novo plano de negócios da empresa para o período de 2013 a 2017.

Reuters

19 de março de 2013 | 14h48

O ativo constava do plano de desinvestimento anterior, entre 2012 e 2016.

O plano 2013-2017 prevê desinvestimentos totais de 9,9 bilhões de dólares, ante 14,8 bilhões de dólares no anterior.

A presidente da estatal não entrou em detalhes sobre os motivos que levaram a empresa a retirar a refinaria dos EUA do plano de desinvestimento. Ela também não comentou quais outros ativos poderão ser vendidos.

A desistência na venda ocorre em meio a suspeitas apuradas pelo Tribunal de Contas da União de que a Petrobras sofreu prejuízo na negociação que resultou na compra da refinaria. Ela não fez referência à investigação durante entrevista nesta terça-feira.

A Petrobras comprou 50 por cento da refinaria de Pasadena, em Houston, em 2006, por 360 milhões de dólares. Mas em seguida entrou em uma batalha judicial com o parceiro no projeto, a Astra, que possuía os 50 por cento restantes.

No fim de junho de 2012, a estatal encerrou o litígio com a Astra, após quase seis anos de disputas, aceitando pagar 820 milhões de dólares para ficar com os 50 por cento da sua sócia no negócio.

A Petrobras desembolsou quase 1,2 bilhão de dólares pela refinaria, que possui capacidade de produção de 100 mil barris/ dia.

Ao anunciar o plano de negócios, na última sexta-feira, a estatal informou que a maioria dos ativos previstos no desinvestimento devem ser vendidos ainda em 2013.

Além da refinaria dos EUA, a Petrobras pretende vender refinarias na Argentina e havia colocado à venda a refinaria no Japão, assim como blocos no Golfo do México e na Tanzânia.

As ações preferenciais da Petrobras operavam em queda de 1,7 por cento, enquanto as ordinárias tinha queda semelhante, por volta das 14h35. O Ibovespa caía 1,2 por cento no mesmo horário.

(Reportagem de Leila Coimbra e Rodrigo Viga Gaier; Texto de Roberto Samora)

Tudo o que sabemos sobre:
ENERGIAPETROBRASREFINARIAATUA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.