Petrobras pode aumentar o preço dos combustíveis em 2012--jornal

A companhia estatal brasileira de petróleo Petrobras terá que aumentar os preços dos combustíveis caso o Brent fique em 120 dólares o barril por muito tempo, disse a presidente da empresa, Maria das Graças Foster.

REUTERS

25 Março 2012 | 13h40

A edição deste domingo do jornal Folha de S.Paulo publicou uma entrevista com Foster na qual ela diz que o fluxo de caixa da maior empresa da América Latina permitiu que os preços da gasolina continuassem sem grandes mudanças ao longo dos últimos nove anos.

Foster disse ainda que há "uma certa margem de manobra" para deixar os preços estáveis ??por enquanto, mas acrescentou, porém, que não havia "muita elasticidade" para continuar fazendo isso se os preços do petróleo mantiverem-se elevados.

Ela disse que se os preços do petróleo permanecerem em 120 dólares o barril, um aumento nos preços da gasolina local seria "inexorável".

A executiva afirmou que não tinha um prazo definido sobre o momento necessário para aumentar os preços: "Eu não quero antecipar prazo, se é daqui a três, daqui um mês."

A média atual dos preços da gasolina na bomba no Brasil está em 2,47 reais o litro, em comparação com os preços de março de 2003 de 2,21 reais por litro, de acordo com o Agência Nacional de Petróleo (ANP). Os preços mundiais do petróleo, no entanto, quase triplicaram no mesmo período.

A Petrobras registrou um prejuízo de 9,9 bilhões de reais em 2011 devido ao setor de fornecimento, em grande parte por causa das exigências de importar gasolina a preços de mercado internacionais e vendê-la no Brasil com perdas. A empresa tem sido por muito tempo uma importadora de diesel, mas desde 2010 tem se tornado uma importadora regular de gasolina devido a um déficit de refino no Brasil.

Os preços da gasolina e do diesel no Brasil foram em grande parte congelados na bomba durante os últimos nove anos pelo governo. Aumentar os preços dos combustíveis é politicamente impopular, mas também é temido por impulsionar a inflação, o que o governo vem lutando para conter.

"Nossos indicadores mostram que ainda temos espaço em nossas previsões para este ano. Mas eu entendo que é inexorável que vamos ter que aumentar os preços para combustíveis "se preço do Brent permanecer nestes níveis, disse.

(Reportagem de Reese Ewing)

Mais conteúdo sobre:
PETROBRASCOMBUSTIVELGRACA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.