Petrobras sobe exportação para tentar evitar déficit em 2008

A área de Abastecimento da Petrobras está fazendo um esforço concentrado para tentar fechar o ano com balança comercial positiva. O recorde de exportação anunciado na segunda-feira, segundo o diretor de Abastecimento da estatal, Paulo Roberto Costa, já é resultado desse esforço. "Temos uma série de ações em andamento para atingir (o superávit) e o recorde de exportação é uma delas, estamos buscando novos mercados, novos refinadores", disse Costa a jornalistas nessa sexta-feira. Ele afirmou que apesar do recorde de exportação de outubro, de 574 mil barris por dia de petróleo, a demanda interna não está demonstrando recuo, com crescimento médio no ano entre 3,5 e 4 por cento. "A média do ano vai ser positiva, é nossa intenção", garantiu Costa, sem saber informar quanto era o déficit até outubro. "Ainda estamos fazendo as contas", justificou. Apesar de ter tornado o país auto-suficiente em petróleo, a Petrobras precisa importar diesel no mercado internacional, o produto com maior peso para o déficit comercial. Somente no primeiro trimestre deste ano, o déficit entre exportações e importações da empresa somava 775 milhões de dólares. DIESEL MAIS CARO Em 2009, para cumprir determinação do Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama), a Petrobras terá que importar 1,8 milhão de metros cúbicos de diesel de melhor qualidade, com valor 10 por cento maior do que o diesel comum, o que deverá pesar ainda mais na balança da companhia. A importação será necessária porque a empresa só vai começar a produzir em 2012 o diesel menos poluente --com emissão de 50ppm (partes por milhão de enxofre) contra a emissão de 500 ppm atualmente. Também apenas em 2012 existirão motores adaptados ao novo diesel no país. "É querer tapar o sol com a peneira achar que só com combustíveis e motores adequados vamos ter melhor qualidade de ar, tem que ter inspeção veicular, sistema viário adequado, planejamento de frota", disparou Costa, visivelmente contrariado com a obrigatoriedade imposta pelo Conama, órgão do Ministério do Meio Ambiente. Segundo o diretor, mesmo com a importação de diesel em 2009, a redução da poluição será mínima, já que não existem motores para receber o produto. "Em motores adaptados a redução é da ordem de 70 por cento, mas nos motores comuns cai para 5, 10 por cento", explicou. O primeiro uso do diesel menos poluente será em janeiro de 2009 nas frotas de ônibus do Rio de Janeiro e São Paulo, o que será estendido em maio para Fortaleza, Recife e Belém. Em agosto será a vez dos ônibus de Curitiba, e em janeiro de 2010 receberão o novo combustível Porto Alegre, Belo Horizonte e Salvador. Em acordo com o Conama, a Petrobras também se comprometeu a reduzir de 2 mil ppm para 1.800 ppm o diesel usado no interior do país em 2009, que corresponde a 73 por cento do consumo. Em 2014, todo o diesel do interior emitirá 500 ppm, segundo Costa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.