Petrobras terá fluxo de caixa estável com maior preço-presidente

A Petrobras espera que um aumento na receita proveniente da venda de combustíveis amorteça o impacto da volatilidade do preço global do petróleo quando os preços locais forem elevados em 1o de novembro, afirmou seu presidente-executivo, José Sérgio Gabrielli, neste domingo.

FLORENCE TAN, REUTERS

30 Outubro 2011 | 10h16

"Isso dá uma geração de caixa estável para a empresa, independente da flutuação internacional do preço do petróleo", disse Gabrielli à Reuters em um evento do setor de energia no Cingapura.

A Petrobras anunciou na sexta-feira o aumento dos preços de combustíveis pela primeira vez desde maio de 2008, uma atitude bem-recebida por investidores preocupados de que o controle de preços exercido pelo governo para controlar a inflação afete o lucro da companhia .

O Brasil tem uma política de preços de longo prazo e não repassa as flutuações diárias nos preços do petróleo para seu mercado, afirmou Gabrielli.

"No entanto, temos que ajustar o preço brasileiro ao internacional no longo prazo", disse.

A demanda brasileira por petróleo irá crescer de 8 a 9 por cento neste ano, nível pouco inferior ao crescimento "muito forte" de 10,5 por cento registrado em 2010, disse Gabrielli.

A crise europeia não mudará a tendência de uma mudança na demanda geográfica do mercado de petróleo para os países emergentes.

"Os países emergentes continuarão a crescer, a menos que tenhamos uma recessão catastrófica na Europa, o que eu não acho que acontecerá", disse Gabrielli.

Mais conteúdo sobre:
COMMODSPETROBRASCOMBUSTIVEIS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.