Petrobras vê lado positivo da crise para projetos de longo prazo

A Petrobras avalia que o desaquecimento gradual do setor de equipamentos e serviços para a indústria de petróleo, com algumas empresas cancelando projetos devido à queda do preço da commodity e da demanda, vai beneficiá-la no médio e longo prazos, considerando o portfólio de projetos que pretende implementar. De acordo com o diretor financeiro da empresa, Almir Barbassa, a perspectiva é de que os custos caiam e a oferta de equipamentos, que tem estado no limite da capacidade da indústria, se regularize, reduzindo as dificuldades para tocar projetos como os do pré-sal, na bacia de Santos. "A crise tem coisas ruins, mas nem tudo é ruim. A Petrobras tem projetos de longa maturação, que estavam sendo implementados em um ambiente de preços elevados no setor. Certamente será melhor o cenário, com os preços se ajustando à nova realidade", disse Barbassa a jornalistas após participar de evento com analistas de mercado em São Paulo. "Essa é sem dúvida uma variante positiva para a Petrobras, que tem um excelente portfólio de projetos", acrescentou. A Petrobras divulgou na noite de terça-feira lucro recorde de 10,8 bilhões de reais, 96 por cento maior do que há um ano. Devido às novas descobertas do pré-sal, principalmente na bacia de Santos, a estatal se viu pressionada a acelerar trabalhos para cumprir com prazos estipulados pelo órgão regulador nas fases de exploração. A petroleira brasileira tem sido muito ativa no mercado de sondas de exploração e plataformas. Várias estão encomendadas para produção no exterior, e muitas outras deverão ser produzidas no Brasil. "O nosso crescimento foi limitado em 2008 pela escassez de equipamentos e serviços. Tivemos atrasos em entregas de plataformas. Estamos chegando no limite da indústria (de equipamentos)", afirmou Barbassa. SEM CANCELAMENTOS O diretor da Petrobras disse achar improvável que a crise, por outro lado, faça com que encomendas feitas pela empresa sejam canceladas, por eventuais problemas de financiamento nos fornecedores. Segundo ele, no caso de plataformas e sondas feitas no exterior, os países têm interesse em manter os estaleiros ativos, evitando perdas maiores na atividade econômica, e poderiam até mesmo financiar essas companhias, por exemplo, com linhas de crédito à exportação. "Sei das dificuldades de financiamento, mas não tenho notícia de nenhum cancelamento. Acho uma possibilidade remota. Se cancelar, perde a encomenda. Nesse momento, se o país puder financiar, ele vai financiar". No caso dos projetos que deverão ser construídos no Brasil, Barbassa disse que o governo já demonstrou que pretende garantir liquidez para a indústria naval local. Ele ressaltou, no entanto, que embora esperada, a redução de custos no setor de serviços e equipamentos ainda não foi notada. (Edição de Denise Luna)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.