PF aguarda documentos para ouvir envolvidos em queda de avião no Recife

Para que investigação sobre causas do acidente continue, mais de 20 itens foram solicitados à vários órgãos

Ângela Lacerda, O Estado de S. Paulo

20 de julho de 2011 | 18h19

RECIFE - A Polícia Federal em Pernambuco, que por determinação do Ministério Público Federal, assumiu a investigação das causas da queda do bimotor L-410 da Noar Linhas Aéreas, no último dia 13, no Recife, aguarda dados solicitados a vários órgãos para começar a ouvir envolvidos no caso, de acordo com nota divulgada nesta quarta-feira, 20.

 

Tudo o que foi apurado pela polícia civil - em inquérito que somava 94 páginas, incluindo os depoimentos de três testemunhas do acidente - serão encaminhados ao delegado federal, Renato Cintra, que preside o inquérito, de acordo com o diretor de operações da Polícia Civil, Oswaldo Moraes.

 

A Polícia Federal instaurou inquérito - que corria paralelo ao da polícia civil - dois dias depois do acidente, no dia 15. O delegado Renato Cintra solicitou informações à polícia civil, Instituto de Criminalística, Instituto Médico Legal, Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (Cindacta III), Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes (Cenipa), Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Empresa Brasileira de Infraestrutura Portuária (nfraero) e Noar Linhas Aéreas relativas ao assunto.

 

Os dados solicitados - mais de 20 itens - abrangem de laudos periciais e registros fotográficos do acidente a plano de voo, relatório de degravação das caixas-pretas, manutenções e inspeções realizadas nas aeronaves da empresa, cópia do livro de bordo.

 

Diante da necessidade de "bastante tempo" para uma análise aprofundada sobre as possíveis causas que levaram à queda da aeronave e a atribuição de responsabilidades a possíveis culpados, a nota adianta que informações adicionais sobre as investigações "serão passadas posteriormente, caso a Polícia Federal entenda ser relevante para conhecimento público".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.