PF atua em 8 estados contra comércio ilegal de botox

Policiais federais e agentes da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) cumprem na manhã desta terça-feira 12 mandados de busca e apreensão, quatro de prisão temporária e sete de conduções coercitivas em oito estados do País para coibir a venda ilegal de toxina botulínica clandestina.

SOLANGE SPIGLIATTI, Agência Estado

03 Abril 2012 | 10h09

As investigações indicaram que, há pelo menos cinco anos, tais toxinas circulam no mercado e os ganhos da quadrilha com a venda diária do produto ilegal podem chegar a R$ 5 mil. No mercado ilícito, segundo a Polícia Federal, a toxina é negociada por preços que variam de R$ 350 a R$ 400 a unidade. Um exemplar autorizado pode chegar a R$ 1 mil a unidade.

De acordo com a PF, os 23 mandados judiciais contra distribuidores estão sendo cumpridos nas cidades de Recife, João Pessoa, Belo Horizonte e São Paulo, além de médicos e clínicas em Recife, Caruaru, João Pessoa, Patos, Natal, Teresina, Aracaju, Maceió, São Paulo e Belo Horizonte.

As investigações da Operação Narke começaram há nove meses, para apurar denúncias de venda de toxina botulínica clandestina, sem autorização da Anvisa, conforme a PF.

A toxina botulínica, informou a PF, além da aplicação estética, também é utilizada largamente de forma terapêutica, inclusive para tratamento de disfunções neurológicas e motoras. Os produtos, uma vez introduzidos ilegalmente no País, são vendidos para médicos de diversas cidades, em vários estados do Nordeste, como Piauí, Rio Grande do Norte, Alagoas e Sergipe.

Mais conteúdo sobre:
PFOperação Narkebotox

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.