PF desarticula fraude contra a Previdência no RS

Os altos índices de pedidos de auxílio-doença por depressão não mostravam um problema crônico de Passo Fundo (RS), mas eram gerados por uma fraude. A descoberta foi revelada pela Polícia Federal (PF) hoje, ao final da Operação Van Gogh, que prendeu um médico psiquiatra de 38 anos e um agente previdenciário de 53 anos, cumpriu mandados de afastamento de três servidores e um vigilante da Previdência e dez mandados de busca e apreensão de documentos e material. Os acusados poderão responder a processo por estelionato e formação de quadrilha.

ELDER OGLIARI, Agência Estado

20 de outubro de 2011 | 18h23

O esquema era investigado desde 2007, com base nos volumes de solicitação de auxílio para casos de depressão. Os policiais constataram que os pedidos vinculados a essa doença chegavam a 40% do total, quando a média nacional é de 10%. Também verificaram que cerca de 400 atestados apresentados por trabalhadores de uma mesma empresa eram assinados pelos mesmos médicos.

O delegado Celso Santos explicou que um despachante comandava o esquema, adquirindo atestados e aliciando servidores da Previdência Social para agendar as perícias com determinados médicos participantes do esquema. A fraude teria causado prejuízos de R$ 4 milhões aos cofres públicos. A Previdência vai revisar os benefícios concedidos nos últimos anos para responsabilizar quem obteve benefícios irregulares.

Tudo o que sabemos sobre:
fraudeprevidênciaauxílio-doença

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.