PF prende 12 por contrabando e tráfico em três Estados

Presos atuavam no Mato Grosso, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul, com materiais vindos do Paraguai

Solange Spigliatti, estadao.com.br

18 Novembro 2008 | 12h03

Doze pessoas foram presas durante a Operação 334 da Polícia Federal deflagrada nesta terça-feira, 18, nos estados do Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e Minas Gerais. Os detidos são acusados de pertencer a uma quadrilha que atua com o contrabando e descaminho, além de tráfico de drogas, todos produtos vindos do Paraguai. Entre os envolvidos estão um Policial Rodoviária Federal e um cidadão paraguaio, além de comerciantes e pessoas ligadas ao ramo de transporte.   Depois de 10 meses de investigação coordenada pela Delegacia de Polícia Federal em Ponta Porã, a PF cumpriu 15 mandados de busca e apreensão, 14 mandados de prisão e 19 indiciamentos em três estados. De acordo com a PF, a quadrilha agia com suas três vertentes. Em Ponta Porã e Pedro Juan Caballero, no Paraguai, o investigado Júlio César Duarte, proprietário de um hotel no país vizinho, junto com seus comparsas, organizava a aquisição do contrabando e garantia o seu transporte seguro pelas rodovias brasileiras, já que contava com o apoio de um Policial Rodoviário Federal.   Junto ao policial atuava seu irmão e sócio em uma revendedora de carros em Dourados, no Mato Grosso do Sul, que servia de entreposto para o transporte das cargas, já tendo sido flagrada a ocultação de tais mercadorias contrabandeadas na sede de uma transportadora, que misturava os bens ilegais com outras cargas para serem transportadas até Mato Grosso. Naquele estado, comerciantes recebiam as cargas e a revendiam em suas lojas e no camelódromo da capital e na cidade de Sinop, no Mato Grosso.   Em Minas Gerais, além de quatro pessoas envolvidas com o contrabando desta região de fronteira, outro grupo, também ligado ao investigado Júlio César, negociava principalmente cocaína, tendo sido interceptados ao menos três carregamentos da droga para aquele Estado. Na região da grande Belo Horizonte, o grupo agia com o apoio de um ex-policial militar, que fazia a segurança dos comparsas.   Ao longo da investigação foram realizadas 12 grandes apreensões de contrabando, em sua maioria transportadas em ônibus fretados para este fim, além de quatro apreensões de drogas, que totalizaram 52 kg de cocaína e 11 kg de maconha.

Mais conteúdo sobre:
drogas contrabando PF

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.