PF quer estender investigação em licitações no RS

A Polícia Federal do Rio Grande do Sul vai pedir ajuda às delegacias de outros Estados para investigar empresas fornecedoras de merenda escolar que estariam fraudando licitações, pagando propinas a prefeituras e oferecendo alimentação de má qualidade a alunos da rede de ensino público. A informação foi divulgada pelo superintendente regional do órgão, delegado Ildo Gasparetto, hoje, um dia depois da abertura do inquérito que vai apurar o caso, denunciado na segunda-feira por uma matéria da RBS TV.O policial acredita que o esquema de corrupção tem ramificações em diversas regiões do País. "Há coincidências com casos ocorridos em Alagoas e no Amazonas", apontou. Algumas empresas, com base em São Paulo, estariam oferecendo editais prontos para prefeituras interessadas em terceirizar o fornecimento de merenda escolar e participariam da concorrência com preços combinados e já sabendo qual delas seria a vencedora.A matéria da televisão mostrou Carlos Roberto Medina, identificado como representante da SP Alimentação, oferecendo um edital pronto para um município da região metropolitana de Porto Alegre abrir licitação e contratar a empresa, que tem sede em São Paulo, como fornecedora de merenda escolar. Em troca de um serviço de R$ 4 milhões por um ano, ofereceu R$ 300 mil na assinatura do contrato e mais R$ 400 mil para a próxima campanha política do prefeito. A empresa negou qualquer vínculo com esquemas fraudulentos e alegou não ter ligações com Medina.

ELDER OGLIARI, Agencia Estado

12 de setembro de 2007 | 20h18

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.