PF tem indícios de que recibos de panetones foram forjados

Papéis, usados na defesa de Arruda, teriam sido produzidos após o vazamento da investigação

Vannildo Mendes, BRASÍLIA, O Estadao de S.Paulo

02 Dezembro 2009 | 00h00

Estão sob suspeita os recibos da compra de panetones, principais documentos da defesa do governador José Roberto Arruda para justificar a imagem do vídeo em que aparece recebendo R$ 50 mil, em notas de R$ 100, das mãos de seu ex-secretário de Relações Institucionais Durval Barbosa. O vídeo foi gravado em 2006, quando Arruda ainda era candidato ao governo do DF, e Barbosa seu caixa de campanha. Sem data de emissão, sem timbre e escritos em linguagem que foge aos padrões dos recibos, os documentos apresentam indícios de que foram produzidos às pressas e em data recente, depois que a investigação da Operação Caixa de Pandora havia vazado.

Arruda, por meio do secretário de Ordem Pública, Roberto Giffoni, disse no sábado que os R$ 50 mil eram colaborações de empresários para comprar panetones e brinquedos que seriam distribuídos às crianças carentes. No depoimento que deu à polícia, em 22 de outubro, já na condição de réu colaborador, Barbosa disse que o dinheiro entregue a Arruda era um repasse regular, coletado a partir da cobrança de propinas nos contratos públicos, para "despesas pessoais" do governador.

Em um dos recibos apreendidos nas buscas, sexta-feira passada, o governador acusa o recebimento de R$ 20 mil de Barbosa e diz que o dinheiro é "para pequenas lembranças e nossa campanha de Natal". Como se estivesse fazendo uma prestação de contas, o recibo acrescenta uma estranha explicação para o destino do dinheiro: "Como fazemos todos os anos, os panetones e brindes foram entregues nas creches, asilos e associações de idosos." Os recibos estão passando por perícia do Instituto Nacional de Criminalística. Dentro de uma semana, o delegado Alfredo Junqueira, encarregado do inquérito, produzirá relatório parcial com os primeiros resultados do exame.

Apontado nas investigações como operador de Arruda junto às empresas que prestam serviços ao governo, o empresário Renato Malcotti será convocado a depor nos próximos dias por saber do destino do dinheiro arrecadado e da montagem da história dos panetones. Ex-campeão de stock car, Malcotti não foi encontrado. Ele deixou com a secretária a mensagem de que está em viagem de férias e só se manifestará sobre as denúncias quando retornar a Brasília, depois do Natal.

Malcotti teria se encontrado recentemente com o empresário Roberto Cortopassi, da WRJ Engenharia, que lhe teria exibido cenas do vídeo da entrega da propina a Arruda, segundo informou ontem o site da revista Época. Cortopassi não foi encontrado para comentar a suspeita, mas a polícia também deve tomar seu depoimento.

Conforme as investigações, Arruda se beneficia de esquema de cobrança de propinas desde o governo de Joaquim Roriz (2003-2006), que lhe teria dado carta branca para operar com o cabeça do esquema, o então presidente da Companhia de Desenvolvimento do Planalto (Codeplan) Durval Barbosa. Depois de ser caixa de campanha de Arruda, Barbosa assumiu a Secretaria de Relações Institucionais do governo eleito em 2006 e continuou cobrando pedágio dos prestadores de serviços, segundo disse em depoimento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.