Piedade tem alcachofra o ano todo

Aplicação de hormônio na planta permite controlar a produção da flor. Município colhe três safras por ano

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

27 Agosto 2008 | 02h27

Faça sol, chuva, frio ou calor, é sempre tempo de alcachofra em Piedade, região de Sorocaba (SP). Os agricultores adotaram uma técnica para induzir a floração e conseguem quebrar o ciclo natural da planta, acabando com a sazonalidade da produção. Com um revólver de aplicação semelhante ao usado para vacinar o gado, eles injetam uma pequena dose de ácido giberélico, um hormônio de crescimento de vegetais que na alcachofra produz o efeito de adiantar a floração. Assim é possível programar a produção, diz o produtor Fábio José Tenório. Ele cultiva, com o irmão Lincoln, 3 hectares. O período normal de colheita vai de outubro a dezembro. Com o hormônio, os irmãos colhem três safras anuais. Com a aplicação em fevereiro, eles podem colher em maio. Uma nova aplicação em junho garante a colheita de agosto a outubro, meses de safra normal. Produção distribuída"O bom da técnica é que distribuímos bem a produção e temos alcachofra na entressafra, quando o preço está melhor", diz Fábio. Os Tenório devem colher este ano 3 mil caixas com média de 20 flores cada - a quantidade varia de 10 a 30 flores/caixa, conforme o tamanho. A receita bruta pode chegar a R$ 60 mil, mas Lincoln diz que o custo de produção por hectare beira os R$ 15 mil, pois fertilizantes e defensivos subiram muito de preço. Conforme a Associação dos Produtores de Alcachofra, entidade que reúne 16 famílias de agricultores, este ano a produção deve atingir 600 mil caixas em 300 hectares. Piedade colhe 80% da safra brasileira de alcachofra de mesa. Alguns produtores industrializam parte da produção. É o caso do agricultor George Yassonubo Osako. Ele instalou uma unidade de processamento para fazer alcachofra em conserva. Hoje, 10% da produção, obtida em 17 hectares, é processada na cozinha industrial da propriedade. O destaque é o fundo de alcachofra em conserva, vendido em embalagens de 500 gramas. NaturalEle também se vale da aplicação do hormônio na lavoura. "É um hormônio natural, que não altera o sabor e as características da flor, nem faz com que ela produza mais. Só modifica a época da produção", diz. Os produtores de Piedade fazem o plantio de áreas novas com mudas retiradas de plantas adultas, num processo conhecido como de propagação vegetativa. No preparo do solo, usam esterco e adubo orgânico à razão de 700 quilos/hectare. As plantas são irrigadas e recebem pelo menos uma pulverização por mês contra pragas e fungos. São aplicados também fertilizantes foliares. As primeiras flores saem em um ano. Como a planta produz perfilhos, cada pé se mantém produtivo ao longo de cinco ou seis anos. Cada planta produz de 10 a 12 flores por ano. Os produtores de Piedade cultivam a variedade roxa-de-são roque. O cultivar foi desenvolvido no município vizinho, São Roque, no passado a "capital nacional" da alcachofra. São Roque perdeu a posição para Piedade, mas ainda mantém o cultivo tradicional. Os produtores se gabam de ter um produto 100% natural, sem o uso do hormônio. De qualquer forma, a lavoura ocupa em São Roque apenas 40 hectares, 15% da área de Piedade. Informações: Associação dos Produtores, (0--15) 3244-1201

Mais conteúdo sobre:
alcachofraflores comestíveis

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.