Pier Mauá, no Rio, tem recorde de circulação de turistas

Faltou espaço na sombra para abrigar os quase 40 mil turistas e tripulantes que embarcaram e desembarcaram hoje, sob sol forte, nos sete navios atracados no Pier Mauá, na zona portuária do Rio. O movimento de entrada e saída de passageiros foi o maior da história do terminal, e envolveu uma estrutura logística complexa, planejada por duas semanas.

BRUNO BOGHOSSIAN, Agência Estado

30 de janeiro de 2011 | 18h19

Os sete navios começaram a chegar à cidade no início da manhã e atracaram um a um, de maneira sincronizada, no terminal de passageiros do porto carioca. Com capacidades que variam de 1.896 a 3.780 pessoas, as grandes embarcações formaram uma fila diante da zona portuária, chamando a atenção de curiosos e motoristas que trafegavam pela Ponte Rio-Niterói.

A maior parte dos turistas que chegaram ao Rio hoje pela manhã encerrava seus cruzeiros na cidade, mas cerca de 30% eram os chamados "passageiros em trânsito", que deixaram os navios no início do dia para retornar ao pôr-do-sol, depois de uma série de passeios. Entre os programas mais procurados estão visitas ao Cristo Redentor, ao Pão de Açúcar, às praias da zona sul e a shoppings centers, além de almoços em churrascarias. A prefeitura do Rio estima que cada passageiro em trânsito gaste US$ 300 em um único dia.

Muitos turistas também costumam escolher o Rio como ponto de partida de seus cruzeiros, passando alguns dias na cidade antes de embarcar nos navios. O casal paranaense Manoel e Mercedes da Cruz viajou de Londrina para a capital fluminense três dias antes da data de início da viagem pelo mar. "É nosso primeiro cruzeiro, mas decidimos começar por aqui para poder conhecer a cidade e foi uma ótima decisão. Tínhamos uma imagem do Rio como uma cidade violenta, mas ficamos muito bem impressionados", contou Manoel, que restringiu seu roteiro à zona sul carioca, tradicionalmente mais segura.

O movimento recorde no terminal de passageiros chegou a assustar alguns turistas e provocou pequenos transtornos, como as longas filas para devolução de bagagem, saída e embarque em ônibus fretados. "Esperamos um pouco por causa do grande número de passageiros, mas não tivemos grandes problemas", relatou o professor baiano Alberto França, de 63 anos.

Com o desembarque de quase 20 mil passageiros e tripulantes de maneira quase simultânea durante a manhã, houve confusão de táxis, vans e ônibus nas vias de acesso ao Pier Mauá, que não suportaram o grande número de veículos. A situação voltou ao normal ao longo da tarde, quando 20 mil pessoas deveriam voltar aos navios ou embarcar pela primeira vez.

Esta foi a segunda vez que o porto carioca recebeu sete navios de uma única vez. Em 18 de fevereiro de 2007, o mesmo número de cruzeiros chegou à cidade, mas as embarcações eram de menor porte, transportando 28 mil passageiros.

A temporada de cruzeiros no Brasil vai de outubro a maio, levando ao Rio de 500 mil a 800 mil turistas. Uma nova atracação de sete navios no Pier Mauá deve acontecer em fevereiro deste ano, mas os administradores do terminal acreditam que o número de turistas não deve superar a quantidade de hoje. No domingo passado (23), quando o porto recebeu seis navios, o número de passageiros chegou a 30 mil.

Para garantir a segurança dos turistas que chegaram à cidade, fiscais da prefeitura fizeram uma operação nos arredores do Pier Mauá com o objetivo de evitar a circulação de táxis piratas ou em situação irregular. Segundo agentes da Secretaria Municipal de Transportes, nenhuma ocorrência grave havia sido registrada até a tarde deste domingo, mas dois veículos que estavam com suas vistorias vencidas foram lacrados e impedidos de pegar passageiros.

Tudo o que sabemos sobre:
RionaviosturistasPier Mauá

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.