Pimenta Neves aguarda transferência sozinho em cela

O jornalista Antonio Marcos Pimenta Neves, condenado pela morte da ex-namorada, a também jornalista Sandra Gomide, ficou sozinho em uma cela após se entregar à polícia na noite de ontem. Ele passou a noite andando de um lado para o outro dentro da cela, que tem apenas colchonetes. Neves recusou o café da manhã e está com as mesmas roupas que chegou ao 2º Distrito Policial (2º DP), no Bom Retiro, no centro da cidade de São Paulo.

ELAINE FREIRES E PRISCILA TRINDADE, Agência Estado

25 de maio de 2011 | 09h15

O jornalista deve ser transferido para um presídio ainda nesta manhã. Procurada, a Secretaria de Administração Penitenciária (SAP) não soube informar para qual presídio ele será encaminhado. Neves foi transferido, às 23h30 de ontem, do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), no centro da capital paulista, para a carceragem do 2º DP.

Após as possibilidades de recurso da defesa acabarem, o Supremo Tribunal Federal (STF) concluiu ontem que Neves deve começar a cumprir a pena de 15 anos de reclusão em regime inicialmente fechado pelo assassinato de Sandra. O jornalista ficou detido entre setembro de 2000 e março de 2001.

O assassinato ocorreu em 20 de agosto de 2000, em um haras na cidade de Ibiúna, no interior de São Paulo. Na época do crime, o casal tinha rompido um relacionamento de quase três anos. Pimenta foi diretor de redação e Sandra editora do caderno de Economia no Grupo Estado. Ela foi morta por dois tiros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.