Pirataria leva ao fechamento de 205 sites chineses

Um total de 205 sites foi fechado entre setembro do ano passado e janeiro deste ano em uma campanha oficial contra a pirataria, informou nesta quinta-feira, 8, a Administração Nacional de Direitos de Propriedade Intelectual da China. "Cerca de 130 casos afetavam proprietários estrangeiros de direitos autorais e tratamos de quase 90% dos casos", disse Yan Xiaohong, subdiretor dessa administração, ao se referir aos 436 casos de infrações detectadas na internet durante esses quatro meses. As autoridades chinesas arrecadaram durante a campanha um total de US$ 90.397 em multas e bloquearam 71 servidores ilegais. Em julho, entrou em vigor um regulamento na China, país que conta com 843 mil sites e 140 milhões de internautas - atrás apenas dos EUA, com quase 200 milhões -, que proíbe baixar da internet conteúdos sem a permissão do dono dos direitos autorais. A Motion Picture Association (MPA, que reúne as principais produtoras de cinema de Hollywood), a Federação Internacional da Indústria Fonográfica e a Aliança de Negócios de Software apresentaram um total de 130 denúncias à China. Essas associações que defendem os direitos autorais estão realizando também campanhas similares por conta própria. A MPA informou em comunicado recebido pela agência de notícias EFE sobre a "Operação Tridente", realizada em toda a região da Ásia-Pacífico com apoio das autoridades entre dezembro e janeiro e que terminou com o confisco de 4,8 milhões de discos (CDs e DVDs) pirateados. Durante a campanha, efetuada em Austrália, China, Hong Kong, Índia, Indonésia, Japão, Malásia, Nova Zelândia, Filipinas, Cingapura, Coréia do Sul, Taiwan e Tailândia, foram detidas 870 pessoas suspeitas de piratear filmes. A China lidera a lista de pirataria nessa campanha da MPA, com 2,9 milhões de discos expropriados em 393 batidas; frente aos 658.614 discos confiscados em 606 ações na Malásia. Durante a "Operação Tridente" foram realizadas 1.874 batidas em instalações de produção e cópia ilegal, e se comprovou a disponibilidade de discos pirateados em vendedores ambulantes, estabelecimentos a varejo, mercados e na exportação de produtos falsificados. Segundo dados da MPA, em 2005 a pirataria representou perdas de US$ 6,1 bilhões para seus associados, dos quais US$ 1,2 bilhão se registraram na Ásia e US$ 1,3 bilhão nos Estados Unidos.

Agencia Estado,

08 Fevereiro 2007 | 15h30

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.